Ir para o Conteúdo
imgcentral

Café com o Sensei

Pensamentos e comentários do Sensei


Últimas postagens:

03-jul-2007

Kendo x Kenjutsu

-O Sensei poderia dizer a qual graduação de kendo corresponderia um shodan de kenjutsu?- foi a dúvida de um aluno.
-Antes de responder à sua pergunta, creio que será interessante investigar os fatos históricos. No princípio, era o kenjutsu. Isto lá pelos anos de 1300, na época das Cruzadas. Quando o Japão mergulhou na época de paz, no período Edo, as artes samurais, que tinham o sufixo jutsu em suas nomina (ex. ken jutsu, kyu jutsu*, yari jutsu*, ju jutsu*, naginata jutsu*) adotaram o sufixo "do"*. Ou seja, as técnicas, que antes tinham como objetivo o puramente marcial, voltaram para o objetivo na construção de caráter dos samurais.
Em meados finais do periodo Edo, surge o bogu*e shinai*, a arte da espada, kenjutsu, continuou com o objetivo "do", kendo. Tecnicamente falando, longe de ser o kendo, que ouvimos falar hoje.
O termo kendo que se fala hoje, se refere a profunda adaptação do kenjutsu feita no pós-guerra (1950), com conotação fortemente desportiva, para que fosse autorizada a prática da espada pelo HQ americano. Ou seja, posturas que lembrassem kenjutsu, ou samurais, possivelmente teriam influência sobre o espírito nacionalista do Japão, assim pensavam os americanos. 
Por esta razão, o kendo, esporte de que falamos hoje, ressurgiu nos anos 1950 sob a forma ainda mais competitiva e regrada do que tivera antes de 1945, e o mesmo ocorrendo com a naginata do, que foi desenvolvida especialmente para uma forma esportiva para mulheres.
Quando falamos em kenjutsu, caminhamos na direção oposta. Procura-se estudar as técnicas antigas e experimentá-las com o uso de bogu - expliquei ao meu aluno.
Sabia o que ele queria dizer. Fitei-o por alguns segundos e disse:
-Não há correspondência. É como comparar banana com abacaxi.

02-jul-2007

Café Maduro

Um aluno me enviou email :

"Nestes dois dias que treinei com o sensei, pude perceber o quão longo o caminho é, 
e deve ser percorido com seriedade e insistência, sem se desviar. 
Lutando com o Sensei, percebi que seu espírito estava calmo, porém seus movimentos 
estavam ágeis e precisos. 
Espero continuar treinando insistentemente até que, quem sabe um dia, eu possa lutar com o Sensei novamente, porém com o espírito calmo e os movimentos precisos como os do Sensei. 
Domo arigatou gozaimashita por passar para todos nós a verdadeira cultura samurai. 
Sayounara."

A minha resposta: 
- Cada estágio tem o espírito apropriado. Agora, no estágio em que se encontra você tem que ser como fogo: ofensivo e davastador. 
Uma vez estando ao meu lado, verá muitas paisagens interessantes no Caminho." 

É como o Café. Não adianta colher verde. Tem que esperar para colher maduro. 
-Mais um capuccino por favor...

29-jun-2007

Diferanças 6 - Escolha dos Katas

Para encerrar a questão citada nestes últimos dias de Café ( 25 de junho - Diferença 3 Inspiração Divina ) coloco o último parágrafo, que é na realidade, apenas,  a continuação do texto original: 

"Por fim, mestre Otake nos deixou claro que o verdadeiro valor dos katas não está somente no fato de eles refinarem a habilidade marcial do praticante - aguçando as suas reações e melhorando o seu equílibrio, a sua capacidade de julgar o momento correto de atacar, a sua velocidade e a sua precisão - mas essencialmente no fato de instalarem no aluno o autocontrole e a disciplina. Os katas, ao mesmo tempo que ensinam as pessoas a matar, ensinam-nas também que não convém usar a violência".

É preciso entender que o treinamento dos katas é imprescindível para a evolução no Caminho da Espada. 
Mas o que é imprescindível mesmo, é buscar os katas verdadeiros. Os que valem a pena serem treinados, os que terão o seu precioso tempo dedicado, pois katas, existem aos "montes" por aí. 

Quando de manhã, tiver compreendido a verdade 
ao entardecer, morrerá tranquilo...


Sensei, mestre Otake e os colegas da velha época 

28-jun-2007

Não foi Niten Ichi Ryu

Parece que está havendo confusão em relação ao Café do dia 31 de maio ( 31 de maio - Despertei ). 
Foram quase 4 décadas no Caminho da Espada. Vários mestres e colegas que estiveram comigo para forjar a espada do Método KIR. 
Várias modalidades e estilos. Kenjutsu, Kendo, Naginata jutsu, Jodo, Iai, Yari jutsu, Kusarigama jutsu , Tanjo jutsu, Jitte jutsu, Bojutsu, Yawara e por aí vai. 
Monges zen e sacerdotes também têm influência sobre o Método KIR. 
Alguns imaginaram que o soke citado no Café foi do Niten Ichi ryu. 
Não foi. 
Amanhã fecho a sequência de pensamentos do mestre Otake. (Diferenca....)

27-jun-2007

Diferença 5 - ARMA DE BRINQUEDO

"Em terceiro lugar, mestre Otake acha que o embate de estilo livre pode gerar maus hábitos nos alunos. Os praticantes começam a "segurar" os golpes, ou seja, a parar a espada antes que seus movimentos atinjam a plenitude da força e do poder de penetração. Além disso, no torneio, um fator de competição começa a substituir a cooperação, e a responsabilidade e o perigo de se ter nas mãos uma arma de verdade são substituidos pela atitude mental do esportista que maneja uma arma de brinquedo". 

Embates sem proteção. Lembro-me da época em que treinava karatê e tinha que me "conter" para não machucar os colegas. Acabava o treinamento meio que frustrado. Neste ponto, particularmente, consigo "extravasar" toda a minha energia e força sobre os adversários nos combates de  kenjutsu, utilizando-se o bogu. Sem dúvida, suando horrores! 
Sobre o torneio. No Instituto Niten,  procuro limitar a 01 torneio por semestre. Cooperação, responsabilidade e seriedade.

26-jun-2007

Diferença 4 - AÇÕES IMAGINÁVEIS

"Em segundo lugar ( 25 de junho - Diferença 3 Inspiração Divina ), a divindade e a perfeição são coisas correlatas; os movimentos dos katas abarcam quase todas as ações imagináveis que podem ser feitas com uma espada, e é quase certo que as que não constam dos katas simplesmente não teriam valor de combate" 

Ao longo das décadas, tenho estudado e pesquisado dezenas e centenas de katas e o fruto desta pesquisa tenho colocado nos combates de kenjutsu, onde os katas são aplicados de forma segura, no combate com bogu*, como você poderá constatar indo a qualquer treino do Instituto Niten. 
Aplicar estes katas antigos com bogu é, tomando as palavras do mestre Otake Risuke: "abarcar todas ações imagináveis com a espada".

25-jun-2007

Diferenças 3 - INSPIRAÇÃO DIVINA

Citei no meu livro Shin Hagakure um dos meus grandes mestres que me ajudaram a despertar ( 31 de maio - Despertei ). 
Mestre Otake Risuke, Shihan* do estilo Tenshin Shoden Katori Shinto Ryu. 
A matéria que vou lhe mostrar a partir de hoje foi escrita em 1983 e fala do que o mestre Otake pensa sobre o treino dos katas antigos em relação ao kendo, e que vou te apresentar a cada Café. 

".....É interessante notar que esses alvos estratégicos para um espadachim-guerreiro são, em sua maioria, simplesmente ignorados na forma esportiva de esgrima, o kendo. No kendo, os alvos são o topo da cabeça, a garganta, os ombros, o centro e os lados do peito e a parte de cima das mãos e dos pulsos. Um espadachim trajado com a armadura tradicional está totalmente protegido em todas essas partes do corpo. Por isso, o valor real de combate do kendo esportivo é praticamente nulo. 
No kendo esportivo, o estudo dos katas tem pouco relevo........ Em diversas ocasiões, perguntamos a mestre Otake o porquê disso. 
Ele nos explicou que, em primeiro lugar, existe a crença firme de que os katas são fruto de uma inspiração divina. 'O Mestre Fundador recebeu-os do céu numa visão e depois registrou-os para que fossem transmitidos perpetuamente aos seus sucessores. Para que, pois, estudar o que é terreno quando se tem nas mãos o que é celeste?' "


ten: céu

*shihan: mestre dos professores

22-jun-2007

Diferença 2 - Caminhar

Você pode baixar qualquer vídeo de kendo no You Tube e constatar que os lutadores não trocam os pés, ou melhor, não caminham. Sempre o pé direito está a frente e o esquerdo atrás.

Em kenjutsu, é diferente. A partir da faixa vermelha (4° kyu), você aprende a lutar com os pés livres. Andando.

"O treino foi de kenjutsu, sucessivas lutas. Todos lutaram com o Sensei. Por coincidência foi minha primeira luta. Não me lembro de ter acertado algum golpe. Sensei  andava. Sempre que tentava avançar, levava um golpe, uchigote e vários tsuki. De alguma forma me sentia desestabilizado pelo andar. Depois, no final do treino comecei a entender por que a movimentação deve ser igual a do cotidiano...
Domo arigato gozaimashita Sensei! "

O episódio acima ocorreu no domingo, dia 03, quando fui ao Rio de Janeiro.
A frase abaixo foi escrita há 500 anos, pelo samurai mais famoso de todos os tempos:

"O movimento dos pés deve sempre seguir o ritmo do caminhar. Eles não devem ficar saltitando, flutuando, nem podem estar presos ao chão"
pag 62- Pergaminho da Água - O Livro dos Cinco Anéis, Go Rin no Sho
Miyamoto Musashi

 

Miyamoto Musashi sensei (do seriado na NHK) - caminhar

21-jun-2007

Inverno

Hoje, dia 21, começa o inverno. 
Momento de vinho quente, fondue, pizzas e tudo que engorda; 
de refletirmos sobre as coisas sérias da vida; 
de lembrarmos que a vida é efêmera; 
de acordar para o desafio do espírito e do corpo; 
de tomar aquele cafezinho quentinho! 
E é claro, 
Momento de Kangeiko*!!! 

Vamos fazer um juramento, eu e você: 
-Neste inverno, vamos treinar 
 Neste inverno, não vamos nos espreguiçar 
 Neste inverno, não vamos nos engordar!!!

20-jun-2007

Miss

 
Dizem alguns, que a mineira que ficou em segundo lugar no concurso de Miss Universo demoliu o mito de que os vices, no Brasil, são perdedores. 
Apesar de ter namorado uma parecida com a atual, Miss Riyo Mori, do Japão, não a considero de uma beleza fantástica. Há muitas delas por aqui. 
O que talvez os brasileiros não entendem, ou estão longe de entender, é que a beleza nem sempre é só carne, músculos ou curvas. 
Modo de andar, vestir, falar, sorrir. Tudo isto conta, e muito. 
E foi isto que aconteceu desta vez. Uma das candidatas, Rachel Smith dos Estados Unidos, levou um tombaço de pernas para o ar. Pois é. Não sabia andar. 
Uma que foi o cúmulo e que eu não me esqueço até hoje: eu tinha lá os meus 13 ou 14 anos. Foi quando o entrevistador perguntou: 
-Se você ganhar o Concurso o que você vai fazer com o prêmio? 
Ao que ela respondeu: 
-Salvar o mundo. 
Estas e outras cenas aparecem num concurso Miss. 
Charme e elegância, além de curvas são requisitos para uma boa pontuação. 
Foi o que aconteceu desta vez. 
E uma outra coisa: vice é perdedor, e não muda.




topo

(+55 11) 5539-3587 seg-sex 9h-18h
(+55 11) 99734-6497 seg-dom 9h-22h