Ir para o Conteúdo
imgcentral

Café com o Sensei

Pensamentos e comentários do Sensei


Últimas postagens:

21-nov-2014

Argentina 10 Anos 6 - Os Sonhos e la Luna



10 Anos de Niten na Argentina

Quando criança, eu tinha um sonho de um dia reunir todos os meus companheiros do meu time e os seus familiares para fazer uma grande viagem.
Colocar todos num grande barco e ir para um lugar distante para conviver, treinar e divertir.
Nos 10 anos do Niten na Argentina, este sonho finalmente se concretizou. Pegamos trem, um grande barco e estivemos numa "ilha paradisíaca" por momentos que foram e serão eternos. Alunos, seus filhos, seus familiares, todos em uma só canção: convivemos, treinamos e nos divertimos.
A lua (e que grande lua) veio nos saudar e testemunhar:
-Você merece realizar o seu sonho! - sussurrou me ela, sorridente, enquanto celebrávamos ao redor da fogueira. Foi por isto que a homenageamos e cantamos "La Luna Tucumana".
Acredite, aqui no Niten, devemos continuar percorrendo os nossos sonhos.
Porque aqui, o Sol e a Lua estão conosco e aqui os sonhos acontecem.
Gracias a todos que tornaram o meu sonho em realidade.

 




 
Sonho que se tornou Realidade
 

18-nov-2014

Argentina 10 Anos 5 - O Do é de todos

Desta vez, o treinamento foi focado no Kishikawa Ryu Iaijutsu, conhecido aqui como "as sequências do Niten".
Detalhes, comprometimento  e garra , aqui, são diferenciais exigidos para aqueles que buscam ser imbatíveis no combate.
Não.
Nada de estético.
Nada de "Do".
Nada de demagogia.
O que importa é o puro combate. Pois o "Do" (Caminho) não pertence a ninguém.
Por que o "Do", o Caminho, depende é de cada um.
O Do é de todos.







































17-nov-2014

Argentina 10 Anos 4 - Convivência com o Mestre

"A convivência com o Mestre é algo que não pode ser descrito com palavras, por mais que nos esforcemos. É como tentar explicar a diferença do ar que respiramos no dia a dia agitado do cotidiano, e do ar das montanhas, onde tudo faz sentido. Se não se esforçar para ir até lá, jamais se terá ideia. E esse ar que renova nossa percepção e nos abre a mente para que continuemos seguir nossas vidas com propósito e sentido.
O aprendizado é contínuo e marcado em cada instante, exigindo atenção verdadeira a cada detalhe. Dos momentos mais inusitados vem grandes lições do Sensei. Particularmente me marcou muito a lição do Bogu. Enxerguei como temos que estar preparados para Compaixão, tanto quanto para o combate, resultando no verdadeiro desapego. Mesmo no calor da batalha, devemos nos preocupar com aqueles que precisam de nossa ajuda, ter a visão ampliada e estar disponível para ajudar. Merecidas flexões que valeram muito mais do que a vitória, que é transitória frente o direcionamento para o que realmente importa. Essa foi apenas uma das lições que tive o privilégio de aprender e trazer pra minha vida, buscando ser uma pessoa melhor.
A evolução apresenta-se nas mudanças que sofremos, as vezes dolorosas do treinamento exaustivo e Shiais apertados, na superação dos nossos limites físicos, mentais e espirituais. Escutar o "Gokurosama" nos brindes dos bons vinhos, ver o sorriso de todos, olhar uma imensa família feliz ao redor da fogueira, caminhar ao orvalho iluminado pela lua faz se materializar o Caminho Vivo que nos tira da mesmice mesquinha do mundo e nos faz quebrar todas as barreiras da língua, cor, idade e tantas outras ilusões; unindo-nos numa corrente forte de felicidade e contemplação."
 - Donegá (Unidade Ribeirão Preto)



"A convivência com o Mestre é algo que não pode ser descrito com palavras"



"Seguir nossas vidas com propósito e sentido"



"O aprendizado é contínuo e marcado em cada instante"



"Dos momentos mais inusitados vem grandes lições do Sensei"



"devemos nos preocupar com aqueles que precisam de nossa ajuda"



"Mesmo no calor da batalha"












"ver o sorriso de todos"



"olhar uma imensa família feliz ao redor da fogueira"



"unindo-nos numa corrente forte de felicidade e contemplação"

14-nov-2014

Argentina 10 Anos 3 - Treino!!!

Hora de brincar, brincar.
Hora de treinar, treinar.
Isto é Niten.
Este sou eu!


"Se isso não fosse suficiente para tornar esses dias inesquecíveis, ainda tivemos os treinos com o Sensei na Unidade Recoleta, em Buenos Aires.
No primeiro treino, na quinta-feira a noite, colocamos o bogu e suamos muito em um treino que para mim certamente ficará na lembrança, pois tive a chance de fazer o Light com o Sensei, e posso dizer que foi algo inacreditável.
Quando o Sensei atacava, sentir aquela energia que parece não ter fim vindo como uma avalanche impossível de frear!
Foi algo que eu fico extremamente grato pela chance de presenciar. " 
- Sá (Unidade Ana Rosa)


"Mas algumas coisas ficaram marcadas nestes dias de comemoração como a participação do Sensei no treino intenso de bogu, no primeiro dia fazendo todos os exercícios junto com os alunos" - Alessandro (Unidade Porto Alegre) 






















11-nov-2014

10 Anos Argentina 2 - Sol em Buenos Aires

"Era dia de Sol em Buenos Aires
E o céu esperava com alegria a realização de um encontro
O grande mais uma vez escutou a prece de um samurai
E as cortinas azuis celestes se abriram infinitamente
Mundos diferentes porém unidos em uma corrente invisível

Que aqui só os sentidos e a visão mais pura pode ver…"
- Joel (Coordenador Argentina)


Chegamos!



A comitva em Porto Madero



"Estou Impressionado"



Sensei quase pescou uns bagres



Las Chicas em Porto Madero



Porto Alegre, São Paulo e Belém



Ribeirão, São Paulo e Argentina



Canhão usado nas Guerras das Malvinas - "Capitão" Sá e "General" Sensei



Unidos Venceremos



Canhão Antiaéreo usado para derrubar os aviões Britânicos nas Malvinas


Casa Rosada





Marcas de Canhóes e balas no Centro (Atentado contra a volta de Perón)








"O grande mais uma vez escutou a prece de um samurai"






Sensei e as diretoras do Museu etnológico após o Tour

10-nov-2014

Argentina 10 Anos 1 - Gracias

Neste fim de semana, o Niten completou 10 anos na Argentina.
Foram, como sempre, desde o início, anos difíceis mas que com a benção de Buda e dos deuses, superados.
Historias incríveis, personagens, que em um futuro distante, se tornarão lendas e exemplos a serem lembrados por toda a família Niten fizeram parte de toda esta trajetória. Coisas que só acontecem no Niten...
A fim de celebrar esta grande historia, estive lá:



Gracias

07-nov-2014

Andando nas alturas

As pessoas gostam de andar "nas alturas" ao invés de fincar o pé no chão.
Desperdiçam o seu tempo em praticas inúteis, leem livros que lhe tiram o tempo, navegam atrás de ilusões.

Esta aluna, anda nas alturas, literalmente, e aí é diferente. Certamente já enfrentou situações em que foram solicitados tudo de si. Riscos, intempéries, sorte, azar. Tudo que acontece no kenjutsu combate...
Veja como, mais uma vez, os Momentos de Ouro fazem a diferença para quem quer chegar ao topo da montanha e, é claro,  não cair no precipício!




"Gostaria de compartilhar com vocês sobre minha experiência nos treinos desta semana.
Sou ainda iniciante, comecei a treinar em abril deste ano. A cada treino percebo que aprendo coisas importantes. Mas esta semana foi realmente marcante... No treino da segunda-feira, no dojo Ana Rosa, o treino foi praticamente de lutas. Eu havia entrado em lutas muito poucas vezes, talvez 3, e pude perceber o quanto o cérebro demora para entender o que está acontecendo! Mas isso com o tempo se resolve, com certeza. O interessante é que, numa luta com um Sempai, ele me disse: “você está muito preocupada em defender. Tem que atacar também!”. Tentei fazer o meu melhor para ir para cima do adversário, mas a lição maior não foi essa... Percebi o quanto faço isso no meu dia-a-dia. O quanto fico na defensiva, quando na verdade deveria ir “para o ataque”. Percebi também o quanto muitas vezes na vida real vou para o ataque, mas sem nenhuma estratégia.

No final do treino, o Sempai Gilberto falou sobre as energias das pessoas que estão lutando, e como cada um sente essa energia. Aquele que demonstra mais confiança, que não se deixa intimidar, que tem uma energia maior acaba se colocando numa posição de vantagem na luta, e invariavelmente ganha. E vice-versa. Perguntei, no final da aula, qual era a “solução” para o caso, e ele me respondeu que era a energia.

Que mesmo sendo iniciante, a energia deve ser toda colocada ali, na luta. Que não se deve intimidar... Entendi que deve-se ter consciência da habilidade física e técnica de cada um, e fazer o melhor a partir daí. Agradeci os ensinamentos e fui para casa.

No dia seguinte, estava treinando os katas com o Sempai Delfino, e ele me chamou a atenção sobre a energia... me mostrou o quanto a energia é um fluxo, hora estamos relaxados, ora nos armamos para soltar o golpe. Mostrou também que essa energia deve fluir até o final do movimento, e não se deve interromper esse fluxo, relaxar o corpo antes da hora exata. Continuei a fazer os katas com o Sempai, e a diferença foi gigantesca! Pude perceber perfeitamente esse fluxo... que descoberta!
Percebi também que, ao praticar com outros companheiros que provavelmente não perceberam isso, a execução era totalmente diferente. Acabei ligando essa percepção com as conversas do dia anterior, e o quanto essa energia é perceptível! Fiquei imaginando o que os mais graduados conseguem perceber!

No final do treino, o Sensei nos presenteou com um Momento de Ouro, que para mim foi o fechamento perfeito de tudo o que eu havia vivenciado nesses dois dias de treino.

Não me lembro perfeitamente da frase, mas era “aquele que sobe ao palco pode não entrar no quarto” (me desculpem por não saber as palavras exatas...). A explicação foi: você pode saber muito bem a técnica e ser muito bom nela, mas isso não quer dizer que você “entrou no quarto”, ou seja, que entendeu o espírito do caminho da espada.

Sei que estou ainda MUITO longe de saber sobre as técnicas, e muito mais longe de entender profundamente o espírito do samurai. Mas os aprendizados desta semana foram profundos, talvez porque não aconteceram de uma forma racional.

Foram aprendidos pela experiência, por sentir o que estava acontecendo naquele momento do treino. Sei que ainda muita coisa está por vir, mas fiquei muito feliz em ter vislumbrado esse pontinho de entendimento.

Agradeço de coração a todos do Niten, que me proporcionaram esses ensinamentos!

Arigatou gozaimashita!"
- Lisete (Unidade Ana Rosa)






Lisete no Cho Oyu a sexta montanha mais alta do mundo.

05-nov-2014

A Incomodidade

"Apesar do meu pouco tempo de convívio no Niten, ouso a observar que nosso Sensei, sempre de forma austera, tem se empenhado na condução de todos no Caminho.

A incomodidade ou o que incomoda estão sempre contidas em seus argumentos, mesmo em poucas palavras, consegue expor a amplitude do que pretende nos ensinar.
Assim como Kenzo, digo :
Sensei, Arigatou gozaimashitá por tudo!" -
Cirullo (Unidade Ana Rosa)



 Cirullo anteontem, no dia do seu "batismo" com bogu: um dia inesquecível.
 

04-nov-2014

O Senhor 喜花 e a Longevidade

Enquanto muitos preferem "pendurar as chuteiras" depois dos 50, outros optam por continuar buscando a longevidade.
Não sei em qual dos dois você se encaixa (ou vai se encaixar), mas é bom pensar.
E, se optar pelo segundo grupo, não deixe de vir aqui, no templo dos samurais.
O ganho será muito mais do que você imagina:



28-out-2014

Soke e Shihan 2 - Trifurcação?

Não tem jeito. Este é um assunto que eu bem que previ, não se encerraria em apenas um Café (CS - Soke e Shihan - 10 - Out-  2014).
Quando tem algo de errado, começam a aparecer as dúvidas. E no Niten Ichi Ryu, a partir do 10º soke Imai, apareceram várias.
Como o deste aluno, que mesmo após ter treinado comigo no Japão e conhecido o Niten Ichi Ryu por lá, levantou esta dúvida:


“Quando li o Café intitulado ´Soke e Shihan´, fiquei impressionado com a força representada pela longevidade da tradição iniciada por Musashi Sensei e passada geração após geração até os nossos dias. Entretanto um fato me chamou a atenção, causou estranheza e dúvida: a linha sucessória mostra que até o sétimo sucessor de Musashi Sensei, Soke e Shihan foram o mesmo indivíduo.
 A partir daí houve uma bifurcação e pouco depois uma trifurcação! Como aquilo era possível? O que aconteceu Sensei??
Onegaishimasu!”
- Sanches (Unidade Ana Rosa)



Por existir algo de errado, a questão fica bem fácil de ser compreendida.
Então, para compreendermos bem, vamos lembrar da linha da sucessão:



Detalhe da linha da sucessão (Link para a Linha completa)

Faleceu repentinamente o 9º Soke Kiyonaga Tadanao (Menkyo Kaiden) por volta de 1976 e toda a comunidade Niten Ichi Ryu esperava que o seu filho Kiyonaga Fumiya assumisse a condição de soke.
Naquele momento, nem Fumiya nem sua mãe aceitaram o convite, pelo fato dele ser universitário e não ter tempo para arcar com tamanha responsabilidade.
Por ainda ser um período complicado do pós-guerra e com poucos praticantes, foi convidado o sr. Imai Massayuki, que apesar de ser iniciante na escola e já com mais de 60 anos de idade, idade avançada para assimilar toda uma técnica de um estilo ímpar como o Niten Ichi Ryu, era um dos únicos que gozava de uma estabilidade para representar (tal como um presidente de uma organização), mas com uma prerrogativa: a de repassar o título de soke a Fumiya.
Foi solicitado ao mestre Gosho Motoharu, único Menkyo Kaiden remanescente na época, e portanto único apto a passar o Menkyo Kaiden, que ensinasse as técnicas ao recém-ingressado Imai.

Pouco tempo depois de iniciar o aprendizado, Imai, detentor do título de Soke, gradativamente afastou o seu mestre
de treinos, apresentações e eventos oficiais do estilo, antes mesmo de receber o título de Menkyo Kaiden*, título que acabou nunca recebendo.

*Menkyo Kaiden
= título máximo do estilo e que autoriza a ser mestre

Décadas se passaram, mas nada de passar sucessão ao então, já com 50 anos, Sensei Kiyonaga Fumiya. Outras escolas de Kobudo (estilos antigos) começaram a comentar a morosidade deste processo e a própria comunidade Niten Ichi Ryu começou a ficar inquieta.
Imai postergou até o último período de sua vida esta passagem e pressionado pela situação resolveu então passar a sucessão já beirando os 90 anos. Mas para espanto de todos e contrariando toda a tradição da escola (e da história), decretou, como se fosse o porta-voz de Deus, algo inédito: que não haveria mais sokes a partir de sua geração.
– Mas por quê? – foi a pergunta que todos fizeram.
A resposta, já sabíamos. Durante todo este tempo em que esteve soke, Imai sempre manteve uma atitude hostil a Kiyonaga Fumiya, dando preferência ao seu aluno nativo Iwami Toshio. Judiava literalmente do filho do soke anterior e a quem deveria repassar novamente o título de soke, como combinado na década de 70.

Diante da conjuntura existente, como não poderia passar a sucessão somente ao seu preferido Iwami, “inventou” de nomeá-los de “11º representantes” ("Dai"):
-Kiyonaga Fumiya
-Iwami Toshio
-Ching (taiwanês que treinou com o 8º soke Aoki Kikuo no período em que este morou em Taiwan, e que devolveu o bokuto de Musashi Sensei, após Aoki Soke voltar ao Japão após a guerra, sem, na ocasião, poder trazer o bokuto de volta consigo.)


Tal prepotência deixou toda a comunidade do Kobudo (e até a Federação de Kendo de Oita) revoltada. Sinal de ultraje, lama e vergonha.
Mas não havia o que fazer.

Passaram se alguns meses e recebemos na madrugada um telefonema inesperado do Japão: faleceu, aos 50 e poucos anos, Sensei Kiyonaga Fumiya. Motivo: aneurisma de aorta.
Sensei Fumiya estava para vir ao Brasil em poucos meses. A fatalidade deixou toda a nossa comunidade Niten Ichi e do Kobudo do Japão entristecida.
No dia seguinte era a abertura do Torneio por Equipes na Urca (Rio de Janeiro 2004), quando divulgamos o ocorrido e com todos reunidos foi dedicado o minuto de silêncio em memória do mestre. Um dia triste. O fim de um sonho.
Um tempo depois, recebemos a ligação de um de nossos colegas do Japão com uma noticia absurda: Iwami Toshio se proclamou soke.
-O que? Como? Impossível! Imai não havia proclamado que não haveria mais soke? Está voltando para trás??!! – foi o que dissemos todos nós da comunidade Niten Ichi Ryu.
Não satisfeitos e pasmos com este absurdo, entramos em contato com o Japão e ouvimos dizer que, poucos dias antes de Imai falecer, Iwami “correu atrás” do “certificado” que o nomeasse soke (já que não iria mais ter concorrentes, a não ser Ching, de Taiwan, que estava mais distanciado de qualquer forma)

O fato foi consumado quando, a fim de buscar mais esclarecimentos, entramos em contato com a Nihon Kobudo Kyokai, entidade que tem a função de cartório onde se registram os estilos antigos.
Na época, o secretário-geral da NKK, sr. Takahashi, confirmou-nos o recebimento por parte de Iwami de uma simples folha de papel em que Imai designou-o como soke. Mas havia algo que lhe chamou a atenção: a ¨simples folha¨, não fora escrita com fude (pincel japonês e nanquim), o que não estava de acordo com a tradição das artes nipônicas.
Disse-nos que foi escrita com uma caneta esferográfica do tipo ¨bic¨.

-E vocês aceitaram?-Indagamos ao sr Takahashi.
-Não tivemos alternativa. Tivemos que aceitar, pois tem o carimbo do Imai. - foi a resposta.

Esta história é complicada se você um dia ambiciona ser um soke.
Mas se está no Caminho apenas para aprender e conhecer a técnica de Musashi Sensei, o caminho é simples:

1º. Verifique se a sua escola faz parte desta linha de sucessão, pois há escolas que apesar de se intitularem “Niten Ichi Ryu” ou outros similares, nada tem a ver com a linha de sucessão e as técnicas originais.

2º. verifique se nesta linha de sucessão, o professor tem o Menkyo Kaiden.



Ao centro Kiyonaga Fumiya junto com Sensei e Sempai Wenzel no Japão em 2002
 




topo

(+55 11) 5539-3587 seg-sex 9h-18h
(+55 11) 99734-6497 seg-dom 9h-22h