Ir para o Conteúdo
imgcentral

Café com o Sensei

Pensamentos e comentários do Sensei


Últimas postagens:

13-mar-2014

Mortifera como uma flecha

Neste fim de semana, vou fazer os alunos conhecerem como foram meus primeiros dias no Caminho de Musashi sensei, o estilo Hyoho NIten Ichi Ryu.
Vamos todos para a Unidade Santos e pegar ¨pesado¨ nos fundamentos que fazem das técnicas de Musashi Sensei, uma das mais eficientes em combate.
Primeira lição: soltar a mão direita da empunhadura,
Segunda lição: abaixar a ponta em direção ao solo,
Terceira lição: estocar a garganta do oponente, mortífera como um flecha.
Simplesmente Direto. Preciso. Imbatível.
Musashi Sensei dizia que ao executar 1000 vezes o movimento você estará apto para experimentar em combate.
Eu digo que depois deste fim de semana, você vai ter uma arma poderosa ao seu alcance, para o duelo (torneio individual) que se aproxima...
Não acredito que você ainda está com as duas mãos ¨presas¨na sua espada...
Acorde!





12-mar-2014

Jojutsu em ação

Desde que introduzi a arte do bastão, o Jojutsu (ou Jodô), aqui na América do Sul, me perguntavam se a modalidade se restringia apenas a execução de katas, que por sinal, são formidáveis. Mas o pessoal queria mesmo era o combate. A estratégia.
A ânsia dos alunos (e a minha) era tanta que buscamos ao longo destes 20 anos de Niten a aplicação no combate. Nu e cru com equipamento de proteção.
Não se trata de uma tarefa tão simples assim pois, em primeiro lugar, estudar as técnicas do bastão é complexo. São necessários anos, décadas de treinamento.
Segundo, muitas das técnicas são perigosas e letais. Adaptá-las ao combate exige conhecimento profundo em Jojutsu e também longa experiencia no uso de bogu (equipamento de proteção) para saber onde, como e em qual intensidade se pode golpear, pois existem golpes do Jojutsu que se pegarem de jeito, mesmo sobre o equipamento de proteção, podem ser fatais...
Ao longo de toda a pesquisa e estudo durante estes anos e apesar de ainda não ter chegado a uma conclusão final, posso lhe dizer que neste próximo Torneio Individual Sul Americano de Kobudô, você finalmente poderá sentir um pouco do combate com o bastão contra a espada.
Será interessante, pois faremos um Shiai inédito em toda a historia do bastão!
O Shiai mais esperado da historia?


10-mar-2014

Hidensho 44 - A patada do Leão

"Estando eu em Shugyo (retiro espiritual), tive a oportunidade de aprender com o Sensei.
Chegamos cedo (07:00h) ao dojo (local de treino) e já fomos colocando o bogu (protetores). Separei as minhas shinais (espada de bambu), peguei a tachi (espada maior) e fui de encontro ao Sensei.
Depois de uma revisão de todos os Kamaes (guarda) de itto (uma espada), em que todos os golpes do Sensei pareciam passar pela minha espada como se ela não estivesse lá e quando eu entrava no maai (distância) do Sensei para atacar tomava um contragolpe certeiro, eu passei para Nitto (duas espadas) e o Sensei continuou de itto.
Em um certo momento, o Sensei fez um movimento rápido que arremessou minha kodachi (espada menor) no chão de forma tão excepcional que a minha reação não foi outra senão ficar espantado. Ao virar para o Sensei, ele, sorrindo, se preparava pra dar o bote final aproveitando a minha guarda aberta por causa do espanto.
Relembrando a luta não consigo deixar de pensar no Sensei como um leão.
Sua patada foi tão certeira que derrubou a sua presa com um único golpe. O detalhe são as suas garras que, retráteis, só aparecem na hora do golpe, e não somente a força bruta.
Assim, como o Sensei não usou somente força bruta, a técnica do Sensei foi certeira, levei alguns segundos para perceber que minha kodachi já não estava na minha mão, foi quando o Sensei aproveitou o momento para terminar a luta."
- Ferreira (Unidade Brasília)


Este relato é interessante por responder, de uma maneira um tanto metafórica do que o Hidensho (os segredos para ser imbatível) pode produzir.
Não. Não se trata de nocautear 10 ou 20 vezes seguidas o oponente.
Primeiro: ¨passar pela espada do oponente como se ela não estivesse lá¨.
Segundo: ¨arremessar a espada de forma excepcional¨.
Quando se chega a maestria nesta arte (9º dan de Kenjutsu combate), fenômenos estranhos e excepcionais ocorrem durante o combate: é a manifestação do Hidensho.


 

07-mar-2014

Mozart e Kenjutsu

Já citado no Shin Hagakure a comparação do Kenjutsu combate a uma arte da Pintura, desta vez trago a você uma comparação com a arte da Música.Mas desta vez, não advindo de minha autoria, mas de um aluno, doutor em geologia e entendido da Música, obviamente.
Leia:


“Todo, digo Todo o Kenjutsu combate é maravilhoso. Nada nele, nenhum Kihon (lição básica), nenhum Kamae( forma de guarda), nenhum Comando, nenhum detalhe é de somenos importância.
Do acordar bem cedo ou ir tarde da noite para o Treino, do Respeito e do Orgulho que temos por nossos Kimono, Hakama e Obi, (vestuário) do Cuidado e Amor que devotamos as nossas Armas, a maneira como carregamos nosso equipamento, a Emoção que sentimos todas as vezes que Ingressamos no Templo dos Samurais, a Firmeza com a qual atamos o nosso corpo ao Bogu (armadura), por intermédio dos Nós, constituem uma Sinergia, no qual cada Ato, simples ou complexo, potencializa e fecunda de significados Todo o Conjunto.
Conhecemos isso muito bem na Música.
Certa vez quando o competente, mas invejoso, Saliere compositor da Corte de José II, travou contato com o modo pelo o qual Mozart produzia sua música, as partituras desabaram de suas mãos.
Isto decorreu da descoberta de que Mozart compunha, sem o auxílio de correções, uma música onde a ausência de uma única nota, provocaria o desabamento da Estrutura, como um todo. Tudo criado de pronto, sem erros, sem nada que devesse não estar ali. Nada de mais e nada de menos. Obra Perfeita e Acabada, criada de uma única vez.
Assim é o Kenjutsu combate.
A Suave, Firme e Poderosa Voz de Comando do Mestre, a Cortez Orientação dos Auxiliares, a Sinceridade, Dedicação e a Amizade dos Colegas de Treino, são os executores e instrumentos de todo esse Antigo e Sublime Concerto.
Ter recebido a Divina Graça de poder ter nascido em um Tempo, em que foi possível todos estarmos presentes, para que juntos produzíssemos e experimentássemos tais Sentimento e Beleza, inquestionavelmente é motivo de Grande Honra.
A Grande Honra é o Todo. Existem inúmeras Honras.
Cada Treino, cada Combate, cada Evento, cada Birudô*, ou Reunião, cada Amizade construída, são todas situações prenhes de Honra.
Por fim, figurar na lista de alunos do Instituto Cultural Niten e trilhar o Caminho proposto do Kenjutsu combate, é o mesmo que andar junto a Pessoas que Estimam e são Amigas de todas estas Honras.
¨- Maurício (Unidade Belém – PA).

*Birudô= termo que nasceu no Instituto Niten alusivo a tomar cerveja com os colegas apos o treino: beer (cerveja) e do (caminho)

Mozart, extraordinário compositor austríaco e um gênio na sua arte, encantou toda a sua corte ao demonstrar a sua ¨espada¨ em ação: movimentos eficazes, surpreendentes e que transcendiam qualquer criatividade humana. Uma espada ¨kami no waza¨, ou seja, ¨técnica dos deuses¨. Divina.
 O Kenjutsu combate, alicerçado nas técnicas dos antigos, proporciona a todo aquele que o pratica, sentir a inspiração divina que os antigos samurais sentiram ao longo do seu treinamento. No Japão, acredita-se que muitas das técnicas do Kenjutsu, inimagináveis ao mais esforçado e devoto praticante, tenham sido criado por obra dos deuses. Seja a via por um treinamento obstinado, ou por ter já nascido com o dom da espada.
No Kenjutsu combate, as técnicas criadas pelos Mozart do Japão são executadas por todo o praticante. Livre para escolher a sua arma, guarda e técnicas infinitas.
É onde todos podem, longe das regras de um Saliere, incorporar um Mozart com a sua espada: tocar de forma Livre, Dinâmica e Divina.
Como bem disse Mozart: ¨Não posso nem devo enterrar o talento com que Deus, na sua bondade, me presenteou¨.




Mozart x Saliere  

28-fev-2014

Gashuku 3 - Um olhar mais profundo

O amazake é uma bebida japonesa que tem sake com leite de arroz.
Aqui no Japão, por estar a 7 graus e muito frio, é uma bebida mais que bem vinda, e é o que eu tenho em minha mão enquanto olho para as fotos, tão boas, por sinal, do Gashuku
( CS de 26.Fev.2014 - Gashuku 1 - Mestre ou Pintor )
Vale a pena olhar mais de perto para se dar conta dos pontos interessantes:


1. Krysamon desembainha com velocidade. Veja que o seu pé direito ainda nem firmou no chão e ele já desembainhou a espada.


2. O aluno(iniciante) demonstra que tem garra, postura e o mais interessante é que para um iniciante esta empunhando a espada de maneira correta, o que é raro em iniciantes.


3. Detalhe da técnica Haritsuke do estilo Niten Ichi Ryu de Miyamoto Musashi: segurando a lâmina com a mão? Só quem treina sabe como.


4. As crianças aqui gostam tanto que não perdem uma oportunidade. Edu se matriculou quando o Niten fez os 20 anos no Ibirapuera
(CS de 06.set.2013 - 20Anos - O dia D do Niten). Naquele dia, fazia 8 graus ao ar livre...
E, olhe lá mais ao fundo um Kir Jovem. E de olho no combate, mesmo com gesso!


5. Não. Não é um adulto não. É um carioca de 11 aninhos com uma katana. Aqui as crianças são precoces.


6. Qual das alternativas aponta o que acontece:
a) um trator vai para atropelar
b) um projetil atinge o inimigo
c) o avanço de um tsunami
d) nenhuma ou todas


7. Estado de iluminação espiritual (depois de ficar 45 minutos comigo em combate).
Vazio...


8. Lhe parece que este aluno tem apenas 1 ano e pouco de iai? Há muitos por aí afora que nem 5 anos serão suficientes para ter esta ¨pegada¨.


9. Momento perfeito no cruzar da espada. Este kata exige a respiração, visão e harmonia correta com o seu parceiro.
Observe a simetria conseguida.


10.Estas crianças estão de parabéns. Ficaram das duas ate as seis da tarde sem tirar o men! E debaixo dos 34 graus.


11. Vai entrar duas estocadas: em primeiro plano sobre o pescoço do oponente com as duas espadas. em segundo plano, a mão direita iniciando a estocada.










12.Drawin (BH), Luciana(RJ), Paiva (Ana Rosa), Fukuta (Vila Mariana) e Omar (Niterói).
4 horas em combate, não tem como não ficar exausto e esquecer de tirar o taoru.
Mas é isto que é felicidade!


13. Hora de lutar, lutar. Hora de brincar, brincar.
Mas isto que é ser jovem!


14. A partir deste dia, todos devemos nos tornar bobos!


Eu vou ficando com o meu ¨amazake¨.
Bom carnaval a todos.

27-fev-2014

Gashuku 2 - Pérolas

"Esse Gashuku me deixou com um sentimento muito bom, a renovação de conhecer pessoas novas e conhecer melhor outros, trocar experiências, enfim conviver no dojo (arena do treinamento) com os guerreiros e guerreiras no caminho.

Pudemos fazer um intensivo de Niten Ichi Ryu(tecnicas de Miyamoto Musashi), captar muitas nuances, em seguida o kenjutsu, como sempre nos testando a seguir adiante, sem nos importarmos com as vozes interiores contrárias, enfim, fortalecendo o espírito. Há de se persistir, não sermos vencidos no caminho do bushido. Determinação e honra sem teoria, mas na prática!

No dia seguinte, as demonstrações do Sensei foram incríveis, impressionante a versatilidade em utilizar várias armas: ito(uma espada), nito(duas espadas), kodachi(adaga), naginata(alabarda) dos modos mais surpreendentes, espero que em minha observação tenha conseguido "roubar" algumas pérolas. 

Devo admitir que pessoalmente gostei muito das revisões no Jô (bastão). O Sensei de repente surgiu assumindo a posição do bokuto, nos mostrou como devemos compreender os movimentos do Jo, sem que seja isto uma coreografia ensaiada. Caso nós vacilássemos, lá vinha nos pegar. Eu até me diverti um pouco, apesar dos riscos. Pessoalmente, apesar dos golpes que levei por causa das minhas falhas, foi muito enriquecedor e ao mesmo tempo emocionante este modo survivor de compreender as técnicas dos katas. 

A energia do Sensei é sempre muito inspiradora, de algum modo nos faz sentir aspirantes a heróis e buscar algo para além de nós mesmos. 
 
Arigato gozaimashita por mais essas experiências e atenção sincera!"
- Luciana - RJ

Nos tempos antigos, os mestres, no Japão, mostravam (apesar de raras as vezes) as técnicas em alguns segundos. Os alunos tinham de prestar extrema atenção para tentar "roubar" as pérolas. Se piscar o olho, perdeu a chance. 
Neste domingo passado, os alunos puderam observar as técnicas por 3600 segundos. Tempo mais do que suficiente para "roubar" um banco inteiro de pérolas.
Em outra ocasião, no treinamento com o  bastão, os alunos que levaram os golpes foram contemplados com as "pérolas" que ficaram internalizadas para sempre em suas mentes. 
Diversão a parte, o aluno para "sobreviver" ao meu modo survivor precisa vir com uma boa dose de coragem, atenção e muita disposição. 
Gashuku. Um lugar onde não se "rouba" pérolas, mas ganha-se . De tanto que elas sobram.


































































 

26-fev-2014

Gashuku 1 - Maestro ou Pintor?

¨Gostaria de relatar minha vivência neste Gashuku e para isso incorporo as palavras do Odoshi Correia (arcebispo do templo Nikkyoji) na palestra de domingo (que mais uma vez nos agraciou com sua sabedoria), pois é com muita sinceridade e com o coração limpo que venho a escrever.
Desta vez meu objetivo de participar deste Gashuku veio da necessidade de fortalecer o espírito, já que venho me sentindo "mole" há algum tempo por questões pessoais. E sabendo que o Niten me ajudaria neste sentido, acompanhei o Senpai Drawin nesta viagem.

Sábado de manhã, só quem esteve lá entende a "simplicidade" da frase: 3 horas de Niten Ichi Ryu (katas do estilo de Miyamoto Musashi). Tive a honra de ser corrigido inúmeras vezes pelo Senpai (veterano) Wenzel, mas seus esforços não serão em vão pois posso dizer que, por culpa minha e não dos meus Senpais, essa foi a primeira vez que pude perceber a perfeição e a magnitude dos katas, principalmente no que diz respeito a sincronia com o parceiro de treino. Tenho consciência que o caminho é longo e difícil mas creio estar menos sinuoso após toda a orientação, didática e disposição do Senpai. Domo arigato gozaimashitá.

E por falar em perfeição, essa foi a palavra que o Sensei frisou durante os treinos seguintes e a necessidade de realizar qualquer gesto, golpe, kihon (noções básicas), kata, decisão e qualquer ação no dia-a-dia baseada nesta vertente e após um dos treinos que mais gosto nos Gashukus, o rodízio ou Jugeiko (treino livre), pude sentir na pele o pagamento por errar alguns golpes no piloto: 30 flexões para cada "deslize". Resultado 90 flexões!!!

Após o jantar alguns Senpais foram escolhidos para reafirmar os pilares do Método Kir que o Sensei desenvolveu e meu grupo ficou sob a responsabilidade da Senpai Laura que, apesar do jeito dócil, soube nos orientar com propriedade e seriedade sobre a importância do convívio com o mestre, além da necessidade de estar atento para vários katas relacionados a este convívio. Após este momento, como de praxe no Niten, procurei conviver com colegas que não havia conhecido antes e destaco Senpai Ana Lúcia de SP e Senpai Adriano de Porto Alegre. Foi um prazer conhecer pessoas tão agradáveis.

Finalizo meu relato com o que considerei o momento mais marcante neste Gashuku: a demonstração de técnicas pelo Sensei. Tão marcante que não me sinto com propriedade para descrever os detalhes. Eu nunca havia visto o Sensei lutar e não fazia idéia de que poderia fazer uma analogia a um "maestro" ou a um "pintor". Resumindo com as palavras do próprio Sensei: "O samurai deve vencer com qualquer arma e com qualquer kamae (guarda) contra qualquer arma e qualquer kamae". Foi essa versatilidade que consegui enxergar, só que adicionando maestria e graciosidade a todo momento. Simples assim: impressionante!!!.

Infelizmente não pude participar do treino de Jo, mas vou me interar com o Senpai Drawin sobre o que se passou e pretendo ir a SP para treinar.

Como havia dito, decidi participar deste gashuku para melhorar meu espírito e não estou surpreso por ter conseguido alcançar a meta, já que sei que o Niten sempre se supera quando o próprio assunto é a superação.

Retorno para minha casa com a alma leve e as idéias fortalecidas.
Domo arigato gozaimashitá Sensei e Senpais!
¨- Villela - Unidade BH

É importante lembrar que para dar um passo adiante é preciso ver o que está adiante.
É para isto que demonstrei os 60 minutos de combate: uma imagem vale mais que mil palavras.






































25-fev-2014

Transformação e os 3 males

¨A palavra de ordem é a Transformação, onde buscamos conectar com toda a humanidade e se torna fundamental a ousadia inovando conhecimentos.
Tive a honra e o privilegio de conhecer o Sensei Jorge Kishikawa, samurai da atualidade que se dedica de corpo e alma, transmitindo aos samurais da modernidade os milenares ensinamentos da filosofia do Bushido - o Caminho do Guerreiro¨-
General Akira Obara

General Obara entende, como eu, que não basta apenas querer se “conectar com toda a humanidade”, sem passar sem a devida Transformação.
A razão é clara , mas não tão simples. Isto por que o ser humano é cheio de imperfeições e todas as suas ações, palavras e pensamentos quer sejam conscientes ou não, são movidos pelos 03 males que ¨azedam¨ todo e qualquer bom relacionamento. São eles: a Ganancia, a Raiva e a Estupidez.
Estes males, já conhecidos por todos , são causas da deslealdade, desrespeito e desonra no Caminho do Guerreiro. E é também a causa dos atritos e desavenças entre os seres de todos os povos.
Estes seres, centrados em seus umbigos, só causam confusão e discórdia por onde passam.
Para estes, o Bushido, um remédio um tanto amargo, pode ser forte e eficaz para transformá-los em seres aceitáveis e assim merecedores desta conexão.
É por isto que ousadia é fundamental, pois de injeção ninguém gosta.
Ganancia, Raiva ou Estupidez : observe e verá .



 
Sensei nos Momentos de Ouro

21-fev-2014

ECM Florianópolis 2 - Fomos onde ninguém foi

¨Esta é a segunda vez que participo de um encontro de coordenadores e monitores, e realmente posso dizer que é um evento especial que temos na agenda do Niten. Ter a oportunidade de conviver com o Sensei, Senpai Wenzel e outros Senpais é algo inigualável, podemos experienciar de forma direta a maneira de ensinar do Sensei.

Uma frase que o Sensei disse que me marcou muito, foi ao voltar do Stand Up Paddle e também quando fizemos snorkeling:

-"Fomos onde ninguém foi".

Acredito que essa frase sintetiza bem o objetivo do Sensei.
 
"Chegar onde ninguém chegou", e que permeia todas as atitudes pioneiras que o Sensei realiza, revivendo as tradições antigas na prática.

Claro que o caminho é difícil, afinal é o mesmo que desbravar uma terra desconhecida, e para isso precisamos ser duros, carregar força e conhecimento, e é isso que o Sensei faz conosco, nos forja, testa nossas forças e nossa coragem, e como o Sensei mesmo disse : "Não é nada pessoal, mas estamos em guerra".

Arigatou gozaimashita Sensei, por nos colocar para correr! ¨

Mauro/DF


¨Chegar onde ninguém chegou¨ requer mais paciência, cuidado e determinação.
Tem que acreditar no seu remo, na sua prancha . Perseverar.
Obviamente que em como toda jornada a que você se propõe a fazer, existem aqueles que tentam desmotivá-lo. Mas não se deve dar muita atenção. O importante é ir avante.
Mas, quando, depois de tantas e tantas ¨remadas¨, você ¨chega onde ninguém chegou¨, ¨Ufa!¨- a paisagem é gratificante.
É possivel que este sentimento se compare ao de muitos quando chegam ao Niten, após ¨remar  e remar¨ sem encontrar o que queriam pelos mares afora.  Sensação de ter finalmente chegado a paisagem que realmente procuravam: O único lugar no mundo onde poderíamos chamar de ¨Templo dos Samurais".

Cabe a nós preservarmos esta paisagem para o bem das gerações futuras.


















A Easy Company do Encontro



19-fev-2014

ECM Florianópolis 1 - Grande recompensa

Semana passada, os coordenadores e monitores que estiveram ao meu lado saíram melhores.
Tanto no aspecto técnico como no pessoal. Alguns mais, outros menos.
Mas uma coisa é certa: pudemos conviver juntos dias incríveis (mais uma vez) que ficarão para sempre.
“Diga me com quem tu andas que te direi quem és”



“Tivemos a oportunidade de sediar em Santa Catarina o Encontro de Monitores e Coordenadoes (ECM) de 2014 (06 e 09 desse mês de fevereiro). Foram quatro dias de muita convivência, de muito aprendizado e de suor.

Convivendo com os coordenadores nota-se que são pessoas com uma visão diferenciada do dojo (local de treino), uma visão mais ampla do que a de um aluno normal. Os coordenadores/monitores se preocupam com todos os aspectos do dojo, desde o exemplo que estão passando para os mais novos, até a energia/saúde dos alunos, passando pela melhor forma de ensinar e o uso de equipamentos adequados.

Na sexta foi feito um treino que, embora fosse um keiko (treino de luta) de confraternização, acabou sendo bem puxado, e Sensei utilizou o treino para ilustrar o sentido da palavra gaman (perseverança/suportar), palavra que estamos estudando desde o gashuku (treinamento intensivo) de final de ano. E nos mostrou, ainda, o exemplo de um dos alunos que se manteve lutando atento e com golpes firmes durante todo o treino. Acredito que o treino será sempre lembrado pelos presentes nos momentos que exigirem nossa superação.
Ao nos despedirmos do Sensei, este nos disse palavras, como sempre, muito importantes, mas o que mais me impactou foi um sorriso do Sensei.

Pra mim, ali estava ao mesmo tempo toda a mensagem e a grande recompensa pelos quatro dias de guerra”
- Amaral (Aluno Unidade FLorianópolis)


























topo

(+55 11) 5539-3587 seg-sex 9h-18h
(+55 11) 99734-6497 seg-dom 9h-22h