Ir para o Conteúdo
imgcentral

Café com o Sensei

Pensamentos e comentários do Sensei Jorge Kishikawa


Últimas postagens:

26-out-2012

Hidensho 16 - Naginata Serena

"Koninchiwa Sensei,
Na última sexta-feira tivemos o último treino do Shugyo, fiquei triste em pensar que seria o último treino.
O interessante que na noite anterior quando me deslocava para o alojamento levando meus bokuros lembrei que o Sensei não havia levado a Naginata (alabarda), aí me atrevi a levar a dele e a minha para quem sabe treinarmos um pouco com Naginata, arma que tanto gosto. Acho que de alguma forma eu e o Sensei estávamos conectados porque quando estava cuidando do jardim na manhã seguinte na ADM recebi a ligação do mestre pedindo que eu levasse as Naginatas, fiquei sorrindo feito bobo e intrigado e disse que já tinha separado.
Depois de ter terminado os afazeres me desloquei para o Hokaido arrumei tudo e aguardei a chegada do Sensei. Nesse dia comecei a me inteirar mais com esse tipo de treino e as rotinas de preparação o que me deixava mais tranquilo e um pouco mais à vontade com o Sensei.
Após a chegada do Sensei já começamos com o treino e acho que foi nesse dia que consegui dar um Mem, que o Sensei disse que foi o único de todos os dias do Shugyo e aquele já valia pelo Shugyo inteiro.
Depois de algumas trocas de armas, o Sensei me pediu que pegasse a Naginata o que sempre me da muita alegria, e mais uma vez o Sensei me surpreendeu. O Sensei de Ito acertou o sune(perna) e não conseguia saltar porque não imaginava e nem conseguia ver qual era a intenção dele, e o Sensei foi trocando todas as armas Ito, Nito(duas espadas), Kodachi(adaga) e Naginata x Naginata. Em todas as lutas ele conseguia me acertar. A Naginata sendo uma arma comprida da à impressão que você tem vantagem, no entanto, isso nada significava para o Sensei ele entrava e saia no maai (distância) e eu nada conseguia evitar, era muito difícil e ele ainda conseguia tirar a Naginata de uma das minhas mãos tão rápido eu nem me dava conta como. Em uma das lutas Nito x Naginata eu visualize o Tsuki do Sensei e quase consegui toca-lo , pedi desculpas porque não posso usar esse golpe, o interessante que foi sem a intenção preconcebida foi apenas a ação.
No ultimo tempo dos embates Naginata x Naginata, via o Sensei como se tivesse pescando com ela que  descrevia uma trajetória que nunca vi ninguém manusear daquela maneira: ela vinha suave e serena e atingia com perfeição o alvo, eu me contentava apenas em olhar para tentar apreender mais um pouquinho.
Foi como sempre inesquecível.
Domo Arigato gozaimashita"

Aguilar - Unidade Guarulhos

Tsuba do periodo Meiji - Acervo do Sensei

25-out-2012

11º TBEK 5 - Detalhes

"Cada Torneio é uma emoção diferente, sem dúvida. O Torneio é um momento único de integração de todos os integrantes do Niten.

No primeiro momento a tensão das disputas, o medo de esquecer alguma sequência ou levar um golpe inesperado, depois vamos nos ambientando, sempre atentos à uma possível necessidade de algum Senpai, felizes ao reencontrar os companheiros de treino e de conhecer os novos. Apesar desses pontos se repetirem, na maioria das vezes em todos os Torneios do qual já participei, são nos detalhes que as diferenças emergem. São nos detalhes que podemos perceber o crescimento qualitativo do Niten, ora reencontrando um colega que mudou de Kyu, um ex-KIR Jovem que agora treina com os adultos e um colega que inicia uma nova modalidade ou arma e mesmo nas questões pessoais: recém-casados, filhos, universitários, formados, enfim, vamos tomando consciência de "como anda" essa grande família chamada Niten.

Arigatou gozaimashitá ao Sensei, pela dedicação diária e por ter, a quase 20 anos atrás, acreditado que ensinar o Caminho aos gaijins valeria a pena!
Arigatou gozaimashitá ao Senpai Wenzel, pela organização, supervisão e locução de todas as competições!
Arigatou gozaimashitá aos Organizadores desse Torneio, por nos proporcionar essa experiência!
Arigatou gozaimashitá aos Senpais, que conduziram as arbitragens!

Sayounará!"

Apoena Amaral - Unidade Ana Rosa


 






























23-out-2012

11° TBEK 3 - Meu primeiro torneio! Domo Arigatou Gozaimashita


"Konichiwá Sensei e Senpais!

Embora me sinta menos do que um grão de areia perto do universo que presenciei neste fim de semana, me sinto no dever de descrever esta fantástica experiência que me foi concedida.
Possuo quase 3 meses de treinamento e há poucas semanas fui permitido a usar o bogu e, de forma curiosa, ao chegar em casa após o primeiro dia de treino com o equipamento me deparei com o primeiro email que anunciava o 11º torneio brasileiro de kobudô por equipes e suas novidades quando comparado às edições anteriores. - "Quem me deras!", foi a primeira coisa que pensei. Logo depois tive a excelente idéia: -"Vou perguntar aos meus Senpais se posso acompanhá-los como espectador " e então veio a resposta do Senpai Drawin: "Até se você tivesse um dia de treino estaria pronto para se inscrever e compor a equipe". E obviamente pensei na categoria para iniciantes sem bogu, pois achava que era cedo demais para a categoria Kenjutsu. E então o Senpai me respondeu: - " Já converse com a kaikei e garanta sua inscrição na categoria Kenjutsu. Você está apto e irá compor nossa equipe". Incapaz de questioná-lo aceitei a missão.


 

 









 

Nos dois últimos treinos antes do torneio recebemos muitas informações sobre o evento: programação, conduta, regras e cuidados para que não ocorra nenhum inconveniente. Mas para mim, a partir da chegada na rodoviária já começaram os ensinamentos. Um fato que me marcou: fizemos uma parada em uma lanchonete de estrada para um lanche e eu peguei um salgado frito enquanto o Senpai Drawin pediu um misto quente básico. Ele comentou: - " Não sei se este salgado está bom ou se a fritura é de boa qualidade. Como temos o torneio amanhã prefiro não me arriscar a ter algum desconforto físico. Por isso prefiro este lanche básico, o qual estou acostumado.". Inocentemente (na verdade tolamente) respondi que só fiz aquela opção porque achei que o salgado estava com a "cara boa". Ao voltar para o ônibus isso me incomodou e refleti conforme o ditado: "O que os olhos não vêem o corpo sente." E assim percebi que o Senpai estava atento as condições e realmente se preparando para a guerra. Refleti ainda mais: -"Não estou a passeio, faço parte da equipe!" Shitsurei shimashitá ao Senpai pela tolice e arigatou gozaimashitá pela lição que despertou em mim. Por sorte não tive nenhum problema devido ao salgado.

 







 

Chegamos em São Paulo e ainda na rodoviária identificamos companheiros de guerra pelos bukuros. Entre eles o Senpai Côrtez do rio, uma ótima pessoa que inclusive uniu o grupo para chegar até o Sesc pinheiros. Ao chegar lá já me deparo com o local repleto de samurais e me espanto com a tamanha cordialidade de todos, como se fossem íntimos. Tive a oportunidade e honra de conhecer diversos Senpais de vários estados enquanto esperávamos para adentrar no dojo escolhido pelo Sensei para sediar o torneio. E por falar nisso, que dojo!!! A estrutura é incrível e o espaço utilizado dispensa qualquer elogio, pois não seria suficiente. Tamanho deveria ser o empenho da organização para um evento deste porte. Imediatamente me veio a imagem do Senpai Adeval, que, além de ter sido o coordenador do torneio enfrenta o trajeto SP/BH para ministrar o treino todos os sábados com muita disposição e vontade, para depois retornar para sua família e suas obrigações ainda no fim de semana. Arigatou gozaimashitá Senpai!



 

Eu estava arrumando meu hakamá quando escuto: -"Mina-sam!!" Era o lendário Senpai Wenzel que só conhecia pela TV e YouTube anunciando o REI devido a chegada do Sensei. Enquanto eu respondia "Onegai shimassu" percebi que tudo aquilo era real e finamente tive a oportunidade de conhecer kishikawa Sensei. Sua imagem, serena e imponente, fizeram-me sentir um pouco embaraçado diante da sua presença. Sumimassem Sensei pois acho que por isso não respondi com um HAI enérgico quando me perguntou se havia treinado firme para o torneio. Não acontecerá novamente.





 

NARABÉ!! Nesse momento percebi quantos samurais haviam no torneio. E então recebemos a palavras do Sensei sobre nunca desvirtuar ou esquecer do verdadeiro caminho samurai. Não me esquecerei.

 


 

Ínicio das competições. O desempenho do Kir jovem me deixou perplexo! Esses "samuraizinhos" me deram uma aula de Ki, Ken e Tai!




 





 

Quanto as modalidades que se seguiram resumo em 2 palavras: beleza e riqueza! Jojutsu, kusarigamajutsu, jittejustsu, Iaijutsu... Impressionante a energia e técnica dos competidores, com certeza reflexo de sua determinação para com o treinamento.

 
















 

Começam as competições do Kenjutsu pelas quais aguardava ansioso. A categoria feminina revelou verdadeiras guerreiras e pude aprender muito com elas. Suavidade e energia, graciosidade e precisão! Preciso treinar muito ainda para chegar perto!

 



 



E então é chegada a hora: Kenjutsu masculino! Percebi que não piscava pois os olhos começaram a arder. Também, se eu piscasse perderia algum golpe. Velocidade, energia, coragem, força e mais uma aula de Ki, Ken e Tai. Antes da hora de nossa equipe entrar, meus Senpais estavam sempre me orientando e respondendo prontamente quanto as estratégias de combate e detalhes sobre as regras. Principalmente o Senpai Fonseca e Senpai Loures, já que o Senpai Drawin estava arbitrando algumas modalidades. Arigatou gozaimashitá pelos ensinamentos!

 

 










 

Chegou a hora de Bh entrar em combate e tentei dar o meu máximo. Busquei fazer exatamente o que meus senpais me orientaram mas infelizmente não consegui vencer Massaro, que me deu uma aula. Aprendi muito com os combates mas infelizmente nossa equipe perdeu. Nossos companheiros oponentes tem muito mérito pelo desempenho e capacidade técnica. Apesar da derrota acredito que ganhamos muita experiência e principalmente eu, pois saí com sede de treinamento e vontade de aprender. Mal posso esperar o próximo treino nessa semana, mal posso esperar o próximo torneio.
Após o torneio fomos para a confraternização no dojo Ana Rosa e a rivalidade do combate deu espaço para a amizade! Foi muito bom deixar as armas de lado e interagir com os companheiros de caminho. São agradáveis, alegres e tive a oportunidade de conhecer várias pessoas de diferentes estados. Uma experiência ímpar.


 













 


Antes de dormir mais uma lição: cuide bem do espaço que usam e zelem por ele. Antes de dormir e depois de acordar todos ajudaram prontamente a limpar e organizar o local que foi disponibilizado para nos alojar e com a ajuda de todos foi fácil e rápido.
Depois do café fomos direto para o dojo sumaré: mais treino! E desta vez experimentei um treinamento que não havia passado: Jugueijlko. Pude perceber que a energia do treino estava bem alta e acho que era normal devido a um torneio de nível no dia anterior. Infelizmente não consegui suportar todas as 2hrs de treino pois meu preparo físico ainda não me permite e tive um pouco de mal estar devido ao calor e a intensidade do treino! Apesar de parar para me recompor tentei fazer o máximo de lutas possíveis, pois a oportunidade de experimentar o treinamento com diversos Senpais com diversas habilidades e técnicas é um aprendizado que posso ter apenas eventualmente e não poderia desperdiçar essa chance.

 



 











 


KAISSAN! Eram 13:30 de domingo após juntarmos e organizarmos todo o material de treino. Hora de retornar a BH, renovado com a experiência!
Foram dois dias incríveis e talvez indescritíveis, pois vivenciá-los é diferente de lê-los nesse relato. Então, apesar de iniciante pude perceber a grandeza da escola a que pertencemos. Minhas expectativas foram superadas e me sinto renovado.

 

Domo arigatou gozaimashitá aos Senpais Drawin e Fonseca pelos ensinamentos, dedicação, paciência e por me apresentar a este novo mundo, ao Senpai Loures pela conduta, presença e atenção e principalmente ao Sensei, pelo legado de verdadeiros samurais que vem construindo há décadas e por manter essa chama acesa, na difícil missão de formar seres humanos melhores para o mundo e dessa forma torná-lo melhor.

Sayounará! Domo arigatou gozaimashita!"
Vilela - Unidade BH, Villela

17-out-2012

Gashuku Rio 4 - Exortar


"Muito obrigado por ter nos presenteado com as novidades nos kamaes surpreendestes de kenjutsu !
Sensei em muitas ocasiões penso que não temos como retribuir sua atenção dada em função de< sua extenuante dedicação ao NITEN. O que vou lhe dizer Sensei talvez já tenha escutado de outros alunos:
Quando cheguei ao NITEN buscava o conhecimento da luta, pois comecei com o judô pequeno ainda com meu pai! Mas agora repito o que já falei para Sanpais:
Depois de burro velho fui sacudido para enxergar melhor a vida. Assim, depois desse aprendizado no NITEN comecei a enxergar como estar mais bem preparado para encarar a GUERRA DO COTIDIANO! Fui criado em um ninho de águias e achava que os kanjis de HONRA, LEALDADE, COMPAIXÃO fossem o natural na vida em sociedade. Contudo apanhei muito com decepções.
Aproveitei as lições aprendidas aqui no NITEN para deixar de apanhar tanto! Assim, agradeço profundamente com a certeza que nunca poderei retribuir a altura!
Domo arigato gozaimashita por mais um domingo de aprendizado.
" Stefam - Unidade Rio de Janeiro
 


 

 

"Foi uma imensa honra participar do último Gashuku aqui no Rio de Janeiro, confesso que houve uma mudança interior de profunda alegria e liberdade durante esta semana, não conseguiria aqui expressar a alegria e a sensação que estou vivendo desde domingo, O Kiai durante o Gashuku invadiu meu espírito de uma maneira tão especial que ao meu ver parece que o Budô lapidou meu corpo, mente e espírito, realmente um prazer, que não sentia desde minha juventude, naquele momento esqueci as dores e dificuldades, e a energia que emanava numa esfera tão positiva e harmoniosa me fazia superar qualquer desafio no Dojô. Gostaria de manifestar minha gratidão pela presença do Sensei, a qual foi de grande valor espiritual e moral, em relação a tudo que foi ensinado e transmitido com muita clareza e humildade. " Edson - Unidade Tijuca









"Sensei, foi o meu primeiro Gashuku que se eu pudesse escrever ou traduzir com palavras o que eu senti naquele dia eu acho que nem conseguiria... mas eu consegui resumir no fim do dia o que aprendi com o Sensei: SIMPLICIDADE.
No falar, no andar, na hora de ensinar, e de exortar ????????? a todos..."  
Vilma - Unidade Botafogo




 


 



 

"E por último, os momento de ouro, depois do iaijutsu, sobre o sentimento da nihon-to (katana) e sobre ser insuperável no bushido. Creio que os dois devem estar intimamente relacionados, e agora vejo que os dois são imprescindíveis tanto para a nossa evolução técnica tanto para a nossa evolução como pessoas.Como o Sensei disse, o sentimento da nihon-to de tentar atingir sempre a perfeição, pagando seus erros com sangue me faz pensar em todas as coisas que faço no meu dia-a-dia que deveria ser levadas com esse sentimento..."  Aretakis - Unidade Rio de Janeiro

 

16-out-2012

“Feliz dia do professor” nos dias de hoje


Recebi ontem, entre outras mensagens de meus alunos, esta, do coordenador de Salvador:

Konbanwa Sensei,

Shitsurei-shimassu, não sei nem se formalmente seria correto, mas achei adequado parabenizar o Sensei pelo Dia do Professor.

Aqui no Brasil muito se pensa na figura do professor como uma pessoa que apenas recebe um salário para dar conhecimento em troca, como se fosse um comércio qualquer, o que é algo triste.

No Japão, até onde eu entendo (e boa parte do que entendo disso devo ao Niten) Sensei = Professor = Mestre. O ofício pode parecer o mesmo, o de ensinar. Mas a forma de enxergar é outra: não apenas "vender o conhecimento" e sim guiar e ajudar a formar pessoas em um Caminho.

Hoje vi muitas mensagens em homenagem aos professores na internet e confesso que fiquei um pouco triste, pois achei elas, em essência, vazias. Se a sociedade, de uma forma geral, visse os professores como nós do Niten vemos o Sensei, e, por outro lado, os professores em geral se dedicassem a ser de fato exemplos a serem seguidos e faróis no Caminho como o Sensei representa para nós, talvez as coisas estivessem melhores neste país...

Felizes daqueles que tem um Mestre de Verdade na vida, e, neste dia, omedetou gozaimassu, e arigato gozaimashita Sensei, por nos ensinar o valor da palavra Mestre!

Sayounará!
Takei - Unidade Salvador



 

Takei,
Arigato pelas palavras
Lamentavelmente, e falando-se de forma real e verdadeira, no Japão também, como em outros lugares do mundo, o professor se tornou o mesmo, ou seja, "professor como uma pessoa que apenas recebe um salário para dar conhecimento em troca, como se fosse um comércio qualquer".
Mas, há também, seja nas metrópoles do Japão ou nos sertões da Bahia, os bons professores e a eles devemos todo o nosso reconhecimento pela dedicação ao ofício de "ensinar".

Feliz é o aluno que tem um Mestre de Verdade e
feliz sou eu que tenho Discípulos de Verdade
Esses vale a pena eu continuar guiando
Nem que tenha que "comprar a antipatia deles"...


 

15-out-2012

11° TBEK 2 - Tróia

"Konbawa Sensei
Shitsusei Shimasu

Sensei, em certos momentos no Niten eu sou transportado para um outro universo, são breves momentos, parece que voltamos no tempo e estamos em outra era, outras leis, outras "Verdades". Neste domingo, no último combate por equipes 9 contra 9, foi um desses momentos, incontroláveis, que surge uma energia no ambiente que nos transporta para este outro universo. Os gritos, a fúria, o barulho dos golpes, o kiai, e o delírio dos que torcem e lançam suas energias no combate também. Invade a minha mente campeões se degladiando na frente de dois exércitos inimigos, onde todos presentes estão fazendo alguma parte para o duelo funcionar, até esquecem que estão de lados diferentes.

Me vem a mente uma cena de um filme que gosto bastante, "Tróia".


Domo arigato Gozaimashita Sensei,
Sayounara"


Folly - unidade Rio de Janeiro

11-out-2012

Disciplina





10-out-2012

Gashuku Rio 3 - Gatilho

Dia 30, último dia do mês de setembro de 2012 tive a insubstituível honra de participar de um Gashuku que aconteceu no Rio.
Pleno domingo, após vir de Belo Horizonte era a data marcada para o treinamento, confesso que já comecei meu dia extremamente cansado por ter passado por um mês de muitas provas na faculdade e nesta última todos os dias de noites mal dormidas, de no máximo 5 horas. Caso não estivesse neste estado provavelmente não teria aprendido tanto.
 
Primeiramente, no sábado, treinei como de costume em BH, porém, foi um treino um pouco mais puxado, estranhamente, este treino fez como que eu "ligasse o gatilho", mesmo com físico sendo usado, comecei a me sentir mais disposto que em relação aos dias anteriores, e não sabia o que era aquilo. No mesmo dia parti para o Rio de Janeiro, cheguei lá 05:30 da manhã e às 06:00hs já estava no local do treino. Havia sido o primeiro a chegar, como o clube ainda estava fechado, tomei café em uma padaria e caminhei já carregando todo o meu material pelas redondezas, como que a "examinar" o local. 
Pouco tempo depois um funcionário do clube abriu as portas e junto com alunos do Rio começamos a arrumação e limpeza do local. Um trabalho em equipe para retirar várias cadeiras, bancos e mesas que estavam na quadra, varrer, passar pano.
 


 


 



Assim, começa o treinamento, primeiro foi o Iaijutsu, um treino muito intenso, com várias correções do Sensei. Senti meu espírito inflando e algumas poucas vezes, consegui, não somente imaginar, mas "visualizar" o oponente na minha frente ao longo dos katas de Iai, foi um treino incomparável.


 


 






Após, foi a vez do treino de Kenjutsu, no qual todos lutaram com o Sensei, foi um treino de segredos preciosos, difíceis de serem vistos, mas percebendo a clara aplicação do Iaijutsu no Kenjutsu, pelo ensinamento sobre o Nukitsuke, finalizando tudo em um só golpe. Após o almoço foi a vez do Niten Ichi Ryu, com mais detalhes essenciais passados somente em Gashukus, depois treinamos Jojutsu de um jeito bem diferente, me senti quase como se estivesse no Bogu, combatento, ou melhor, eu realmente estava, pelos vibrantes Katas, em combate. Para finalizar o treinamento, mais uma parte de Kenjutsu com Bogu, onde pude participar de diversos Shiais e compor algumas equipes para combater, foi realmente emocionante cruzar espadas com tantas pessoas diferentes e conhecer tantos rostos novos, assim como relembrar dos antigos.
 

 
 

 








 
Vi neste Gashuku que, ao mesmo tempo que crescia e aprendia, ainda tinha muito mais que me esforçar a aprender no futuro. Aprendi que muitas vezes, quando estamos cansados, fatigados por problemas cotidianos ou não, é a melhor hora para ir ao combate, não porque não podemos, nos tempos de paz, descansar um pouco, mas porque às vezes precisamos "limpar" o fio de nossas espadas, que, renovada, poderá cortar os problemas que surgem a nossa frente. E, com perseverança, HONRA, LEALDADE e GRATIDÃO, não nos afastaremos do "caminho do Bushido, do caminho Samurai", como bem dito pelo Sensei. Agradeço ao Sensei por, através de experiências como o Gashuku, me fazer aproveitar melhor e mais intensamente a vida.
 
Arigatou Gozaimashita a todos os colegas do Rio e outras unidades.
Arigatou Gozaimashita ao Senpai Wenzel, líder exemplar e atento.
Arigatou Gozaimashita ao Sensei, que renovando meu espírito, me fez ter um noite de sono muito melhor ao voltar para BH.
 
Drawin - Niten Belo Horizonte

 

08-out-2012

Gashuku Rio 2 - Sem tempo a perder

É bastante difícil resumir em uma frase o que senti no Gashuko!
Defino o antes, o durante e o depois de estar junto de todos aí no Rio, e claro, principalmente, na presença do Sensei!


Antes: um misto de ansiedade, vontade e euforia; durante foi como se um raio me atingisse, minha mente e meu corpo ficaram em sobressalto, não havia cansaço, nem dor, nem a lembrança do cansaço, nem a lembrança da dor, me sentia como há muito não percebia; estava atento a tudo, aos detalhes, aos ensinamentos!
Também destaco a apresentação do Sensei e seu filho, foi muito bonito e bastante motivador, sentir o carinho, o respeito e a admiração de ambos, nos mostrou como nos portar!


Sinceramente, muito bonito! E o depois: na presença do Sensei, ao serapresentado a ele e a sua família, pelo Sempai, senti-me muito honrado! É uma presença, uma energia muito grande!
Ao lhe pedir o autógrafo em seus livros, para Duda e para mim, outro grande ensinamento, que levarei sempre comigo: "Senki: Seja nos dias de guerra, seja nos minutos de paz". Retornei a Friburgo, bastante revigorado!
Domo Arigato Gozaimashitá
Ao Sensei Jorge Kishikawa, ao Sempai Wenzel e a todos do Instituto Niten.
Sayounará
"
Agustin - Friburgo.

 

"Ha algum tempo estava pensativo sobre as pessoas, os brasileiros para dizer a verdade. Passei a observava bastante o comportamento dos outros no ônibus, metro, rua, etc.A verdade é que por mais honestas e horadas que elas sejam, elas não compreendem o quanto é séria a vida e que o tempo passa rápido, que uma brincadeira que proporciona sorrisos pode ser mais seria do que uma bronca ou uma advertência. O tempo é algo tão caro. Fiz questão de prestar atenção em cada detalhe mais ainda quando o Sensei não falava.





Em cada corte, cada luta, cada passo eu mantinha o máximo de atenção.
Durante o treino com Sensei pude provar, lutar com alguém imbatível.  Me deu entendimentos.





O Momento de Ouro suave e implacável como vento. Como um presente,  tive um sentimento forte, parecido com o que tive quando li pela primeira vez o texto no verso da nossa carteirinha.
Não existe nem uma duvida : o Bushido é claro e quem caminha nele deve andar em frente e reto.






 

Foi um dia com trilha sonora de encerramento, voltando para casa escutei no radio de um carro o verso da canção dos "Paralamas".
"Só quero saber do que pode dar certo. Não tenho tempo a perder."
A grande Lição do Dia.
Domo Arigato Gozaimashitá Sensei
"
Monedeira - Rio de Janeiro




topo

(+55 11) 5539-3587 seg-sex 9h-18h
(+55 11) 99734-6497 seg-dom 9h-22h