Ir para o Conteúdo
imgcentral

Café com o Sensei

Pensamentos e comentários do Sensei


Últimas postagens:

10-ago-2011

Bushido, nem a bomba atômica

"Estive no Japão (Hiroshima) em 1996, como filho de japoneses, estranhei muito a paixão (e idolatria) dos japoneses pelos americanos, quando questionei os meus tios japoneses que participaram da guerra, eles me responderam que a bomba de Hiroshima salvou o Japão, "eles eram loucos tentando derrubar aviões com espingardas", e que encontraria "verdadeiros japoneses" no Brasil, pois aqui se ensina o Bushido e a cultura japonesa.
Hoje com 55 anos, sou o que sou graças aos ensinamentos que me foram passado pelos meus pais, e que reencontrei no grupo Niten com o Sensei.
Nem a bomba atômica conseguiu destruir o Bushido.
Domo Arigato Gozaimassu Sensei.
" - Ishida (Unidade Vila Mariana - Templo Nikkyoji)


 

"Enquanto o Sensei falava nos Momentos de Ouro, me veio à lembrança uma passagem do final do filme Yume (Sonhos), de Kurosawa:
“— Mas e a respeito das luzes?... [pausa]
— Nós temos velas e óleo de linhaça.
— Mas a noite é tão escura...
— Sim. É assim que a noite deve ser. Por que a noite deveria ser clara como o dia? Eu não iria gostar da noite clara, em que não fosse possível ver as estrelas."
Eu vejo em Kurosawa um grande descompasso entre sua visão de vida e as ideias de progresso e desenvolvimento desmedidos de nosso tempo. Tomando mais pensamentos emprestados, eu lembro do Momento de Ouro que o Sensei explicava o “lamento da árvore que chora”: às vezes nos preocupamos tanto sobre nosso trabalho, sobre juntar, sobre atribuir a nós mesmos as conquistas que tivemos... mas será esse o real valor da vida?
Relembrar as vítimas do massacre de Hiroshima e Nagasaki é pôr em evidência as dimensões da tristeza e da falta de sentido que a busca pela riqueza, poder e crescimento econômico desenfreado podem causar. Milhares de vidas que desapareceram “instantaneamente”. O Sensei disse que não há um consenso sobre a necessidade da bomba para pôr um fim à guerra, mesmo que os japoneses já estivessem preparando seu plano de rendição, mas eu acho que a pergunta sobre essa “necessidade” já é em si um contrassenso, pois a guerra já foge de qualquer sentido mais humano da vida.
Eu acredito que uma nação que despeja vidas através de uma bomba nuclear terá sempre o vento soprando sua calma, e se a árvore não se mexe, é simplesmente porque faltam as folhas, a sensibilidade em buscar algum valor para a vida
." - Meloni (Unidade Ana Rosa)


"a arvore que chora"


"No Momento de Ouro durante o relato do Sensei, sobre os 65 anos da explosão da bomba atômica que destruiu Hiroshima e Nagasaki, um nó na garganta e lágrimas contidas, surgiram ao imaginar a destruição e as mortes fatais causadas no momento da explosão, bem como o sofrimento daqueles que sobreviveram, devido a fome e as doenças decorrentes da radiação.
A cada palavra havia a lembrança dos meus avós paternos que diziam, que não devíamos deixar um grão de arroz no prato, pois em tempos de guerra muitos morreram de fome, e que devíamos ter profundo respeito pelo alimento, como algo sagrado e que nunca deveria ser desperdiçado. As palavras do meu ditchan (avô) sobre o sofrimento, a fome e a perda de familiares, nesta época da guerra, serviram de exemplo e foram importantes na formação de alguns dos meus valores.
Compreender através daqueles que tiveram que recomeçar do zero, sem nada e com as próprias mãos, sentir que cada dia de vida é uma luta, valorizar e preservar tudo aquilo que temos e viver sendo guerreiros até o fim
."- Nuria Yonamine (Unidade Sumaré)


 

09-ago-2011

Crueldade ao extremo

Hoje, peço a você 1 minuto de silêncio em memória as vítimas da bomba de Nagasaki:

" Na manhã de 9 de Agosto de 1945, a tripulação do avião dos E.U.A. B-29 Superfortress, batizado de Bockscar, pilotado pelo Major Charles W. Sweeney e carregando a bomba nuclear de nome de código Fat Man, deparou-se com o seu alvo principal, Kokura, obscurecido por nuvens. Após três voos sobre a cidade e com baixo nível de combustível devido a problemas na sua transferência, o bombardeiro dirigiu-se para o alvo secundário, Nagasaki - a maior comunidade cristã do Japão. Cerca das 07:50 (fuso horário japonês) soou um alerta de raide aéreo em Nagasaki, mas o sinal de "tudo limpo" (all clear, em inglês) foi dado às 08:30. Quando apenas dois B-29 foram avistados às 10:53, os japoneses aparentemente assumiram que os aviões se encontravam em missão de reconhecimento, e nenhum outro alarme foi dado.

Às 11:02, uma aberta de última hora nas nuvens sobre Nagasaki permitiu ao artilheiro do Bockscar, Capitão Kermit Beahan, ter contato visual com o alvo. A arma Fat Man, contendo um núcleo de aproximadamente 6,4 kg de plutónio-239, foi largada sobre o vale industrial da cidade. Explodiu 469 metros sobre o solo, a cerca de meio caminho entre a Mitsubishi Steel and Arms Works (a sul) e a Mitsubishi-Urakami Ordnance Works (a norte), os dois principais alvos na cidade. De acordo com a maior parte das estimativas, cerca de 40.000 dos 240.000 habitantes de Nagasaki foram mortos instantaneamente, e entre 25.000 a 60.000 ficaram feridos. No entanto, crê-se que o número total de habitantes mortos poderá ter atingido os 80.000, incluindo aqueles que morreram, nos meses posteriores, devido a envenenamento
radiativo.
" - Wikipedia


"um cemitério sem uma lápide em pé"

Há 03 dias, Hiroshima já havia sido destruída e nada menos que 80 mil vidas foram dissipadas em uma fração de segundo.
Qualquer nação, depois desta catástrofe, optaria por sua rendição
Nagasaki é prova da crueldade ao extremo.

05-ago-2011

O frio que lavou a alma


Uma bela manhã.
Ontem, enquanto muitos se contorciam e com esforço saiam da cama devido ao frio, aqui na Vila Mariana, a 7 graus, um jovem cearense, que só sabia o que é calor estava em treinamento espiritual pela manhã.
Veja o seu depoimento sobre o treino que, no final, foi coroado com aquele céu azul límpido, sem uma nuvem sequer, como aquele já comentado nos Momentos de Ouro sobre o Hagakure.
Uma manhã fria e límpida onde se lavou a alma:


"O dia começa, mas estava frio e desligo o alarme sem perceber. Quando dou por conta, o senpai Fugita já está a vestir o kimono. Levanto em um pulo e me preparo para o treino.
Caminhada bastante fria a caminho do Hokkaido, nem parecia a mesma cidade em que dormi. Chegando lá começamos o treino somente eu e o senpai Fugita, mas para minha surpresa após alguns kihons de piloto, o Sensei chega e fico surpreso sem saber o que fazer, mas o Sensei logo comanda para revezarmos keiko entre nós três.
Sempre que guardei ou montei o bogu do Sensei vi um par de tabi estranho, pois eles não pareciam servir para terrenos irregulares, proteger do frio ou melhorar atração. Sem nem mesmo perguntar o Sensei explica que é para treino, e fiquei mais surpreso ainda em ver com meus própios olhos (e tomar vários kotes e mens)  que o Sensei tem seu própio jeito de treinar. Keiko (treino) com o Sensei foi completamente diferente de todos que já lutei, pois o Sensei simplesmente deslizava pelo chão, e o hakama (veste de baixo) escondia completamente os pés. Me restando somente destreza com a espada, mas é desnecessário dizer que são dois mundos diferentes, quem sabe em algumas décadas.
A melhor parte foi o Sensei utilizando kodachi e fazendo irimi. Ao ponto de utilizar os himo do meu men como uma kusarigama. No começo fiquei maravilhado e achei que o fosse ser solto para recomeçar o keiko, mas depois que notei que isso não importava. Não importava mesmo. Tudo que exista naquele momento era o nosso keiko. O Sensei deslizando como se estivesse patinando e soltando mens como trovões, mas de certo modo parecia se divertir como uma criança que nunca cansa de brincar do seu jogo ou brinquedo favorito.
Meu men cai, mas a luta não para por motivo algum. Mesmo sem o men, eu não sentia nada dos tsukis ou mens do Sensei. Para mim só existia o momento do keiko e a chance de lutar com o Sensei.
 Ao termino do treino, mais uma surpresa. Alongamento com um céu límpido motivando a respirar mais fundo. Apesar do terrível frio ainda ser o mesmo, naquele instante a brisa gelada parecia só contribuir para a paisagem. Foi um momento do que eu imagino ser uma fração de paz interior.
Domo arigatou gozaimashita senpai Fugita e principalmente domo arigatou gozaimashita Sensei." 

Renan (Unidade Fortaleza)



Uma bela Manhã

04-ago-2011

Gashuku Ibiúna 2 - "O Caminho de Santiago"

"Este gashuku de Ibiúna me lembrou muito os momentos de peregrinação no Caminho de Santiago: a hospedagem simples; dormir no chão, em uma sala lotada de outros caminhantes, após um longo dia de esforço; os banhos rápidos e coletivos; as refeições comunitárias; uma bebidinha para relaxar; o céu estrelado (ou garoa...); o cheiro do mato e as provações externas que nos tentam impedir de chegar ao local do encontro..."
Cortes (Unidade Rio de Janeiro)
 

 

"No treino inicial de revisão de técnicas, percebi o quão pouco eu sei e o quanto é necessário estudar para me aprofundar no caminho. Passei a ver kamaes que teoricamente já havia aprendido, como Yagyu ou correnteza do leste, com outros olhos e percebi novas possibilidades para as quais nunca havia me atentado. E voltei a estudá-los durante as lutas do gashuku, mas agora com outros olhos. Eu pude perceber o quão fatal é o erro de achar que já aprendemos um kamae quando na verdade não aprendemos quase nada. Quando menos se espera acontece o que aconteceu comigo, um verdadeiro men ippon!"

 

" Foi extremamente interessante e instrutivo ver na prática a versatilidade que o kenjutsu nos dá ao permitir-nos treinar diferentes kamaes e quão restrito pode ser lutar apenas de chudan. E mais ainda, ver o grande aprendizado que o aluno de kendo obteve ao perceber que o caminho seria estudar outros kamaes.""
 

 



"Esse gashuku em geral foi muito técnico e aprendi muito treinando com meus colegas de outras unidades. O treino de Niten Ichi Ryu foi muito intenso e rico em detalhes."
Salomão (unidade Ribeirão Preto)

03-ago-2011

Niten e Nikkyoji na Via Láctea

Hoje deixo as palavras de nosso aluno diretor do planetário.
Meus agradecimentos a todos os pais e parentes que acompanharam o evento.
As crianças nunca vão se esquecer deste dia:




"Niten e Nikkyoji na via láctea"


"Piquenique num cenário de filme!"

"Com grande honra, o Planetário Aristóteles Orsini (Ibirapuera) recebeu o SENSEI, alunos do Niten e membros do Templo Nikkyoji.

Como diretor dos planetários e aluno do Niten, para mim foi algo muito especial. Agora eu penso com alegria nos momentos da visita, então eu me lembrei de uma história:

   Sasa no ha sara-sara
   Nokiba ni yureru
   Ohoshi-sama kira-kira
   Kin Gin sunago

Tradução um tanto grosseira:

   As folhas do bambu, murmuram, murmuram,
   balançam as pontas.
   As estrelas brilham, brilham,
   grãos de areia de ouro e prata

Essa canção faz parte de uma das maiores festas populares do Japão, a Tanabata, também conhecida como “Festa das Estrelas”. Essa festa ocorre justamente nesse mês da visita aqui no planetário. Que coincidência! A festa é baseada em uma lenda que diz que duas estrelas, Vega (Orihime) e Altair (Kengyu) são um casal, ligados por amor, mas só tem permissão de se encontrarem uma vez por ano, quando atravessam a Via Láctea.

Depois do evento eu tive uma sensação muito boa porque eu ajudei no encontro de duas, das coisas mais sérias que tenho na vida: meu trabalho e meu treino. Bastou atravessar a Via Láctea...

Arigato gozaimashitá SENSEI."

João Paulo - Unidade Nikkyoji Vila Mariana

02-ago-2011

Gashuku Ibiúna 1 - A Sakura e o Niten


Sakura em seus últimos dias

Neste final de semana passado, em Ibiúna, as cerejeiras (sakura) apontavam para o final de mais uma passagem em nossas vidas: o final das férias invernais de Julho.
No domingo, sob o frescor matinal da fazenda , enquanto me dirigia a quadra de treinamento (ginasio Kokushikan) minha atenção se voltou para uma flor da cerejeira . Parei e desci do meu carro.
murcha e fraca nos seus últimos dias, a sakura , em um dado momento ,me olhou e cochichou no meu ouvido:
- Nós samurais, temos que lutar até os últimos dias. Estou contente em ver o Niten aqui, nos últimos dias de férias, lutando em busca do aprimoramento técnico e da evolução espiritual. Bom Gashuku para vocês!
Com isto firmado em meu pensamento, e certo de que os últimos dias seriam bem aproveitados, iniciei o Gashuku.
Pelo que me informaram foi um marco na vida de muitos guerreiros.
Confira:
"Após um ano da minha entrada no Niten, finalmente tive a oportunidade de conhecer e treinar no Gashuku obtendo um novo aprendizado de vida. Há tempos tentava encontrar um tempo para minha dedicação ao Gashuku, mas infelizmente devido ao trabalho e estudos, isso era impossível, só tinha conhecimento do Gashuku através dos relatos do Sensei, dos Senpais, outros colegas ou através de fotos no site do Niten, mas desconhecia o “gosto” do Gashuku. Então, a oportunidade apareceu, durante o mês de julho consegui férias do trabalho, assim como dos estudos ficando o último final de semana de julho livre para minha participação deste grande evento.
De fato os dias passaram, e o dia do Gashuku chegou. Eis que partimos de tarde para a fazenda de Ibiúna, depois do treino ocorrido de manhã no Templo Nikkyoji da Vila Mariana.
Ao chegar, descarregamos nossas malas e tão logo iniciamos o treinamento ao ar livre em meio a um gramado com vários companheiros vindos de lugares longínquos, cercados ainda pela bela paisagem e tranqüilidade que aquela fazenda emanava, mesmo com o dia nublado e meio chuvoso.
Mesmo com o tempo frio treinamos com vontade adquirindo novos aprendizados sob as orientações do Sensei e dos Senpais, ora garoava fracamente ora essa garoa passava, mas mesmo assim continuamos até o fim do nosso objetivo. E como diria o cantor Raul Seixas na música Como Vovó já dizia: “ ...a chuva é minha amiga e nunca vou me resfriar...”.

Niten Ichi Ryu na garoa

De noite, depois do treino, fizemos um jantar de confraternização onde tive a oportunidade de conhecer melhor os meus companheiros que vieram de outros Estados. Nos divertimos bastante através de conversas alegres e descontraídas, com direito a muitos risos até tarde da noite, quando todos se recolheram para acordarem cedo para um novo treinamento.

Momento de confraternização

Levantamos cedo e preparamos o café da manhã, e depois fomos a uma quadra esportiva fechada iniciando nosso treinamento com o Bogu, e depois tivemos momentos de ouro com o Sensei que nos passava uma lição de vida para refletirmos sobre nossas atitudes no mundo afora, que no caso foi a importância de respeitar e cuidar dos mais velhos, como os nossos pais e avós, por exemplo.

Momentos de Ouro: Respeito e gratidão na vida

Fizemos uma pausa para o almoço, e então pude assistir aos treinos de Iaijutsu e Jojutsu, uma oportunidade que não podia perder naquele momento. Após, o encerramento desses treinos iniciamos um novo treino de Kenjutsu com o Bogu.
Fosse o que fosse, treinamos intensamente naquela enorme quadra que, aliás, é excelente, suando bastante, mas seguido em frente com toda nossa vontade e determinação, colocando o nosso coração a disposição no caminho da espada.

Seguindo em frente com toda vontade e determinação
 
Enfim, encerramos o treino e ouvimos atentos às palavras do nosso Sensei, que nos agradecia e elogiava a nossa participação e treinamento. Fui para casa, com essa experiência marcada na mente e na alma, que sem dúvida jamais será apagada não importa quanto tempo se passe, pois finalmente descobri o “gosto” de um Gashuku no meu caminho do aprendizado."
Loureiro - Unidade Ana Rosa

Para quem não sabe, a sakura , esta flor tão especial, inspira os artistas japoneses até os dias de hoje.
Ela está presente no inconsciente do povo japonês por que representa , tal como o guerreiro samurai, tanto a beleza e a efemeridade da vida.
Lembra-nos que devemos viver brilhantemente neste curto espaço de tempo, pois a vida é, impiedosamente, efêmera.
Felizes fomos nós, que vivemos intensamente, estes últimos dias de férias...


Felizes fomos nós...

01-ago-2011

Puxões de Orelha

Recebemos esta mensagem de um de meus primeiros assistentes da época inicial do Niten.

Era a época que dividia o tempo entre os plantões nos hospitais e o Niten , carregando sempre um bip , pois ainda não existia o celular. De vez em quando, tinha de deixar a aula para atender a uma intercorrência de algum paciente internado em uma enfermaria e outros "ossos do ofício" da medicina. 
Carregávamos todo o material no Uno CS 1.5 verde e que mais tarde viria a ser o Renault 19 RT vinho, quando Sergio fazia a parte do atendimento e arrumação dos materiais.

Vez ou outra levava uns "puxões de orelha"( não que isto o desabone, pois sempre foi um rapaz honesto e confiável), desses que só os alunos que convivem aqui comigo sabem como são. Ou seja, mais do que adverti-lo pelas falhas cometidas profissionalmente, procurei sempre orientá-lo para que se tornasse um ser melhor ainda , para o futuro. Serginho no começo ficava um tanto cabisbaixo,  mas passados alguns minutos  estava sempre pronto no seu posto, sem guardar mágoas ou ressentimentos.

Mais do que isso, chegou a treinar o kenjutsu e colocou o bogu (armadura) . Aqui, também levou os meus "puxões de orelha".
Tinha todos os motivos para me mandar para o inferno.

Ao invés disso, resolveu me mandar este email:

Bom dia

O meu primeiro emprego foi no Instituto Niten,fico feliz com o crescimento do Kendo no Brasil,eu pratico um esporte que não é tradição no Brasil mas o futebol americano também está crescendo no Brasil.Um grande abraço para o Doutor Jorge.
 


Serginho ao Centro

Aos que tem gratidão, os "puxões de orelha" são como remédio a iluminar seus corações puros;
Aos que não tem,  são como querosene a inflamar o ódio em suas mentes obscuras.
Boa sorte Serginho!

26-jul-2011

Gashuku Brasilia 4 -As tres Lições

"Falar do Gashuku é difícil antes de comentar sobre a 1º vez que eu vi o Sensei, exatamente no Gashuku anterior aqui em Brasília mesmo, no fim do ano passado. Naquela época eu estava no Niten havia uma semana, tinha treinado duas vezes. Quando o Sensei adentrou a quadra, uma frase recém lida veio-me a cabeça: “Finalmente, após várias encarnações nos encontramos.A mudança de energia na quadra foi alterada. A força do Sensei é facilmente percebida apenas de observá-lo caminhar. Naquele dia ele apenas olhou-me, mas aquele olhar disse-me mais que mil palavras.Neste Gashuku foi diferente, mais uma vez ele chegou e a energia mudou, trouxe uma leveza e felicidade ao coração, uma atenção especial para refletir sobre os ensinamentos que estavam por vir. Logo estávamos dentro do Bogu e para minha surpresa o Sensei também estava pronto para lutar. Em minha cabeça o Sensei iria orientar e ensinar sem lutar. O mais incrível é que eu seria o terceiro a lutar com ele.

Não lembro as duas primeiras lutas, afinal elas foram uma espécie de retomada de fôlego antes do grande mergulho, eu só não imaginava quão grande ele seria.  E lá estava eu, frente a frente com Sensei,assim como num mergulho onde o mais alto som se torna distante e difuso, a proteção ocular do Men era como meus olhos abertos embaixo da água, tornando a percepção do mundo confusa.
Então, sem saber o que fazer, gritei meu Kiai e avancei para o combate, mas mais uma vez era como seu eu estivesse imerso, meus movimentos lentos e desajeitados logo deram ao Sensei a oportunidade de me dar a primeira lição. Depois de uma seqüência de cortes no Kote, o que me impressionava não eram o fato de meu Kamae e minha defesa falharem, mas sim a sensação de cada golpe. Estes eram sem força alguma, mas cortavam lá no fundo da alma do aprendiz que de repente se viu frente a um espelho, e a cada corte via um erro a ser corrigido e alguma atitude a ser mudada no cotidiano. Muito mais que um ensinamento para a espada a primeira lição do Sensei foi para minha vida e ao concluí-la segui exausto às outras lutas.

Após uma sucessão delas estava frente a frente com Sensei novamente. Eu completamente exausto gritei e fui contra suas duas espadas. Nesta segunda lição as lágrimas não tardaram a vir. Lá estava o Sensei a mostrar-me que não basta enxergar os erros para seguir no caminho. É preciso persistência e dor para colocar a prova o coração das pessoas e separar os guerreiros do resto do mundo. E em seu livro ele já havia dito isso, mas a memória grava com mais dedicação quando se sente na pele o peso do caminho do guerreiro. Estava encerrada a segunda lição.

Com muita dificuldade nas lutas seguintes e um pedido para respirar consegui chegar de pé à terceira luta, creio que iria mesmo arrastado! E agora o Sensei portava a espada curta apenas e eu num vislumbre de tolo pensei que teria alguma chance. Assim chegou a terceira lição, com minha primeira luta contra Kodachi (espada curta), depois de ver os erros e aprender a corrigi-los, depois de sofrer e persistir é preciso nunca deixar que os pequenos problemas e faltas se tornem grandes como a Kodachi se tornou, na verdade a melhor solução é não deixá-los chegar perto, porque eles vão te segurar e te levar para a morte antes do que você imagina. Aquela que eu achei que seria a mais “fácil” das lutas foi a que trouxe a espada para a minha garganta.

Após tirar o Men, meu nariz sangrou em um minuto, devido ao clima de Brasília. Em menos de um minuto os Senpais já me ajudavam. Esta atenção tranqüilizou tanto quanto me inquietou por interromper a lição deles para ajudar-me. E sobre essa atitude o Sensei também falou, quando no momento de ouro abriu nossos olhos para a perda dos valores. Sobre isso considero a atitude de preocupação dos Senpais uma demonstração de valor e de compaixão.

Após o almoço Niten Ichi Ryu com correção de vários pontos e imersão nesse estilo que traz Musashi Sensei à mente, com sua perfeição e amplitude de dons como a pintura e escrita que o tornava um samurai tão completo.
Depois disso durante o Iaijutsu, que eu apenas observei. Refleti sobre o livro da água, e de como tanto o Sensei, como Musashi Sensei se moldam em qualquer situação, assim como a Água. Confesso que senti um orgulho imenso de poder absorver uma pequena parte dessa grandiosidade que é o caminho.

E para encerrar as lições o Sensei me olhou nos olhos e disse: 
- Continue treinando firme!
Pode estar certo disso, Sensei.
Espero que a próxima a oportunidade de aprender com o Sensei aconteça em breve!
Domo Arigato gozaimassu."  


Jackson- Unidade Brasília.


"Finalmente nos reencontramos"


"Uma chance contra a kodachi?"

"Finalmente , após várias encarnações nos encontramos."- é o que penso quando encontro os meus  alunos , principalmente de Unidades fora de São Paulo, e um sentimento de comemoração somado a expectativas me vem a cabeça. Será este aluno promissor? Com qualidades ? Virtudes? 

É possivel que a energia , quando entro na quadra , fique alterada. Pois assim que piso na quadra , sinto com os meus pés se o terreno está seguro, propício para uma aula produtiva e com os meus olhos , observo atentamente aos que estao presentes , deixando por algumas horas a vida mundana , em busca de aprimoramento. E é isto que passa . De coração para coração. Telepatia. Energia no ar...

A versatilidade do Kenjutsu se aprende de várias formas. E uma delas é tomando o golpe. Está muitíssimo equivocado o aluno que imagina que quando estou com o equipamento , estou querendo "lutar".  Se coloco o equipamento é para ensiná-lo.  Mostrar o ponto falho. Golpes de Kenjutsu cortam no fundo da alma. Quem já não sentiu o corpo se esvair e depois suspirar ao levar aquele utigote (golpe ascendente sobre o antebraço) por mais leve que seja? Desde que o aluno esteja de coração aberto verá sua alma "cortada" por várias vezes.

Digo isto, porque existem aqueles que , presos a seus "pré-conceitos", se recusam a entendê-los. No início do século passado, a prática das duas espadas, o Nito,  fora proibida na prática de kendo , por ser considerada uma forma "covarde" de se lutar... apesar de ser, o treino com as duas espadas, curriculum obrigatório desde há 700 anos (Katori Shinto Ryu)  ou fazer parte do estilo Niten Ichi Ryu de Miyamoto Musashi, o samurai imbatível de todos os tempos.

Não será novidade também, se desta vez, alguém falar que lutar com Kodachi  é covardia. 

Deixem-os. 
O resgate continua.

Estudar o Niten Ichi Ryu e aplicá-lo no combate de Kenjutsu aguçará a percepção no que tange a  "fazer de sua espada o seu pincel".
A arte com o corpo é estimulante para o espirito.
Se Jackson tivesse treinado , e não apenas observado o Iaijutsu, teria aprendido a 4ª lição.

Fica para a próxima.

É por isto que eu digo sempre aos meus alunos:
- Continuem  treinando firme!
Para valer o nosso reencontro.
Após várias encarnações.

22-jul-2011

Kenjutsu na Formação do Médico

Recebi este convite de Lívia e Teixieira, alunos da unidade Belo Horizonte e que apresento a você neste Café.
Teixeira e Lívia se mostraram leais e determinados para com o Niten durante todo o seu aprendizado.
 
Acredito que a   humanidade ganha mais calor humano a partir de hoje com esses dois doutores do Niten.

 

Clique para ler

20-jul-2011

Tirar a mão no Shugyo

"Durante esta semana que fiz shugyo (retiro espiritual em meio a treino intensivo) com o Sensei, me aconteceram muitas coisas interessantes. A princípio, fui fazer Shugyo para me tornar mais forte, descobrir e ajudar a trazer os novos conhecimentos que aprenderia com o Sensei para os amigos que treinam comigo aqui no Rio de Janeiro.

Não sabia que seria tão difícil! Provavelmente a coisa que mais aprendi foi a lidar com minhas limitações e a resistência da minha força de vontade. Realmente aguentar o frio que estava fazendo em São Paulo não foi fácil (para mim que sou Nordestino e moro no Rio de Janeiro)! Me lembro que a primeira coisa que o Sensei me falou foi para tirar as mãos dos bolsos do casaco ao fazer a reverência em pé, ficou marcado na memória "fazer a reverência assim só mostra que você não está com disposição para fazer nada!", disse o Sensei. Também as dores físicas que advém de não estar acostumado a treinar todos os dias como o Sensei e os sempais.

Os dois primeiros dias foram realmente muito difíceis. Não pelo frio ou pelas dores musculares, mas sim por não ter nenhuma companhia durante o dia. Depois desses dois dias as coisas foram ficando melhores e me adaptei às tarefas que tinha que executar durante o dia. Outra das coisas que me marcaram, foi o dia em que o Sempai Wenzel disse para que eu limpasse a rua, mas foi a rua inteira! Me lembro das pessoas pararem para perguntar porque estava limpando a rua, e quando dizia que fazia parte de um treinamento elas me desejavam força, os vizinhos me agradecendo, pessoas que eu nunca havia visto! Achei isso muito interessante. Nunca esperaria isto das pessoas à minha volta.

Por fim, em todos os treinos aprendi muito! Nos treinos matinais com o Sensei e os sempais, e nos noturnos também. Conheci muitos sempais, fui à São José dos Campos (agradeço muito ao sempai Alexandre pelo treino, pelo birudo e por me mostrar um pouco da cidade de São Paulo na volta do treino), enfim, treinei bastante. Tentei dar o máximo de mim, e acho que valeu a pena! Agora estou com mais certeza da força que tenho e com mais vontade ainda!"

Aretakis - unidade Rio de Janeiro

Recebo durante todo o ano, alunos vindos de todas as partes do continente e, no inverno , principalmente durante as férias, eles tem que vencer, além das adversidades inerentes ao treinamento com a espada, a queda de temperatura. Ou seja. o frio. Durante o treino da manhã a temperatura chegou aqui a 7 graus durante alguns dias.
Sensato é aquele que aproveita as férias para assimilar conhecimentos que poderão somar-se ao que já possuem para poder, um dia, utilizarem em prol da solução dos problemas que se apresentarem no decorrer da travessia do mar da vida. Generoso poderia ser qualificado este aluno que, veio a mim não só para assimilar e guardar os conhecimentos para si só, mas também para levar aos colegas do Rio de Janeiro tudo o que foi aprendido durante a sua estada. Belo exemplo a ser seguido. "A luz deve ser levada a todos"...

O mais difícil aqui não é aguentar as duas, três horas de treinamento ou levar as "pauladas" por estar faltando com a vontade no treinamento. O treinamento, se você tiver um pouco de persistência, conseguirá "dar um jeito". Além de que treinamentos beirando a exaustão, somente, não mudam o homem. É necessário um algo mais que o treinamento. E aqui, no shugyo, oportunidades não faltam para lapidar a mente, o espirito e a alma dos que buscam no treinamento com a espada o "algo mais" para desencadear a "virada"em suas vidas.
Com a mudança dos tempos, seja pelo fato de pais e mães trabalhando full-time e mal podendo dar atenção a seus filhos, seja por estarem todos dentro deste turbilhão onde o materialismo e o consumismo impera (aqueles que acreditam que tudo nesta vida se resolve com dinheiro), fazem destes filhos "monstros" que um dia acabam, se não tirando as suas próprias, a vida de outros inocentes que nada tem a ver com isto. Por exemplo, colidindo e matando com o seu "brinquedo" a 150 km como pudemos assistir nestes ultimos dias aqui em um dos centros mais movimentados de SP.

É aqui que entra o shugyo. Uma chance que damos a nós mesmos para corrigirmos as nossas falhas, eliminarmos as nossas fraquezas, despertarmos para o verdadeiro. Aprender o que não foi aprendido.

Como já escrevi no Shin Hagakure, o shugyo não se faz na companhia de amigos. Não é uma excursão a um retiro espiritual. Não é um spa onde amigos vão perder calorias. Ocidentais precisam parar com este costume de querer ficar sempre acompanhados!
E, também, como atestado no Shin Hagakure, limpeza nunca é demais.

Sendo assim, tire a mão do bolso enquanto há tempo e venha por a mão na massa.


"os dois dias foram realmente difíceis" (observe o braço direito)


"missão cumprida" (observe o braço direito)




topo

(+55 11) 5539-3587 seg-sex 9h-18h
(+55 11) 99734-6497 seg-dom 9h-22h