Ir para o Conteúdo
imgcentral

Café com o Sensei

Pensamentos e comentários do Sensei Jorge Kishikawa


Últimas postagens:

22-ago-2011

Momentos de satisfaçao

"No Momentos de Ouro desta semana o Sensei nos falou sobre sermos okoko* e retribuirmos o que nossos pais nos fizeram, segundo o Hagakure esta seria uma das virtudes do samurai contidas no bushido. Estas palavras me fizeram pensar se eu estava sendo okoko ou ofuko em minha vida.

Estou casado há quase três anos e desde que saí da casa de meus pais a freqüência com que eu os visitava era cada vez menor, não que houvesse algum problema entre nós, eu os amo e devo tudo a eles, nem mesmo a distancia, pois nossas casas são próximas, o problema sempre foi o tempo, ou melhor, a ausência dele.

Eu trabalho bastante, estudo, participo da associação Nipo-Brasileira da minha cidade, organizo eventos, e no meio deste turbilhão de tarefas meus pais sempre acabavam ficando em segundo plano, eu sempre pensava: “Depois eu vou visitá-los”, “Depois eu vou lá”... Mas o depois quase me foi tirado...

No final do ano passado meu pai sofreu um derrame que pegou todos os familiares de surpresa, fiquei assustado, pois ele sempre foi uma das pessoas mais fortes que eu já conheci e por pouco não faleceu.

Prometi a mim mesmo que dedicaria mais tempo de minha vida a ele e minha mãe, mas novamente acabei assumindo novas responsabilidades e colocando-os em segundo plano.

Em março deste ano, meu pai sofreu um infarto nas vésperas do meu aniversário, na época eu passava por problemas no trabalho, tive que trancar minha faculdade, a avó da minha esposa faleceu, e, por mais que eu quisesse, não consegui ser okoko como deveria.

Em abril comecei a treinar no Niten, fiquei imensamente feliz, pois aqui eu encontrei algo que há tempos procurava, a auto-satisfação. Porém ainda faltava algo, eu ainda estava sendo relapso com meus pais, ainda estava sendo ofuko com eles, mas não percebia.

Na quinta feira 21/07 minha mãe me ligou às 07h30min da manhã dizendo que meu pai não estava se sentindo bem, e me pedindo para levá-lo ao hospital, rapidamente fui a casa deles e encontrei meu pai visivelmente abatido, ele reclamava de tonturas, náuseas e visão turva. De imediato disse para ele entrar no carro, porém meu pai quis ir ao banheiro antes, enquanto isso eu liguei para o meu trabalho para avisar que eu iria me atrasar, foi quando minha mãe me chamou aos prantos dizendo que meu pai havia caído no quintal. Chegando lá o encontrei no chão inconsciente, convulsionando, ele respirava com dificuldade, sangrava e espumava pela boca. Fiquei apavorado, achei que estava enfartando novamente.

Meu irmão e eu tentamos reanimá-lo, fizemos massagem cardíaca, respiração boca a boca, mas ele não respondia, achei que iria perdê-lo, achei que estava morrendo em meus braços, chamamos o resgate e com a ajuda de vizinhos e familiares conseguimos socorrê-lo.

Já recuperado, no hospital, perguntei ao meu pai por que ele não tinha me ligado antes, já que ele acorda às 6h para trabalhar, e ele me respondeu: “Eu não queria te atrapalhar”, na hora eu pensei que bobagem, é questão de saúde! Mas aquilo não saiu da minha cabeça porque meu pai achava que estava me atrapalhando...

Então no Momento de Ouro o Sensei nos disse sobre a importância de sermos okoko e eu percebi que a culpa por meu pai pensar daquela maneira era minha, eu estava tão ocupado e distante dele que ele não se sentia no direito de “ocupar” meu tempo e tão pouco pedir minha ajuda!

Decidi como pessoa, como homem e como samurai que dedicarei mais do meu tempo aqueles que me dedicaram toda sua vida!

Este domingo fui pescar com meus pais, foi fantástico!
Agradeço o Niten por existir o Momento de Ouro "

Mauro (Unidade Vila Mariana - templo Nikkyoji)


*Okoko - Retribuir, gratidão pelos pais e por aqueles que dedicaram sua vida por nós


Mauro ao lado dos pais


Sabemos que nossos entes queridos estão sempre em nossos corações.
No entanto, a vida, como bem escrito no meu livro Shin Hagakure, não é um mar de rosas e, vez em quando, faz nos esquecermos e afastarmos das coisas mais valiosas como seres humanos.
A travessia da vida é difícil e, para não afundarmos de vez  ou bater em alguma rocha ou iceberg, temos que ter o controle do leme. Estarmos sempre atentos.
Mas isto não é o suficiente.
É necessário termos uma bússola. Do contrario, não chegaremos ao nosso destino. Ou chegaremos insatisfeitos.
O Momento de Ouro não se resume a algumas lições de sabedoria para o treinamento técnico ou aquisição de uma postura marcial, como bem demonstra este relato.
Se o Shin Hagakure é o livro indispensável para despertar o tigre adormecido em nossos corações, como citado por Guido Mantega (pag. 19), o Momentos de Ouro faz o papel  da bússola que, indispensável para todo o bom capitão, impedirá que o tigre adormeça em nossos corações. 
Ao fim de nossa travessia é necessário, antes de mais nada, chegar. 
E, com o Momento de Ouro,  é possível que chegaremos.
E, acredito eu, mais satisfeitos. 

19-ago-2011

Arriba México!

Amanhã é um grande dia!


 

Arigatou a todos da Argentina, Chile e Brasil, pois com vocês chegamos ao México
"Pedra que rola não cria limo" (Shin Hagakure pág.355)

17-ago-2011

Gashuku Ibiúna 6 - Insights 3 - Superação


A educação e o fortalecimento do caráter se faz na infância .
Os pais que tem consciência disso sabem por que estão aqui.


Cada um leva o que veio buscar.
Mas eu tenho certeza que, neste exato momento, ninguém pensou nisso.

 


- Mais ar! Mais ar!
 


Após a tempestade, a bonança
Após a superação, a iluminaçao
 


Niten Ichi Ryu: katas que foram executados há 500 anos pelo nosso fundador Musashi sensei.
Katas que nasceram em meio a natureza, montanhas, mares e rios , frutos dos mais de 60 combates travados pelo nosso fundador.
Nesse dia, pudemos reviver o combate de Musashi Sensei de há 500 anos.



Niten no coração!
 


Clique para Ampliar


A vontade é tamanha . Bem como a alegria de todos os que estiveram lá.
Superação.
Arigato a todos

15-ago-2011

Gashuku Ibiúna 5 - Insights 2 - A Emancipação


Segure firme antes de golpear e não se esqueça de gritar!



O samurai que desembanhou a sua espada ao entardecer



A união que fez a força no café da manhã: alunos, pais e monitores em prol de todos



No Niten, devemos agradecer a tudo que pertence ao céu e a terra antes de retirarmos o que pertence a eles.
Mãos em prece e "itadakimasu"



As técnicas com as mãos livres, no Japão, surgiram a partir das técnicas com a espada
Aqui, vemos um Kuden (CS 13-06-2007 Kuden)



Uma "revolução" (CS 12-08-2011 Gashuku Ibiúna 4 - Insight 1) onde o Brasil inteiro se emancipou nas fazendas do café paulista

12-ago-2011

Gashuku Ibiúna 4 - Insights 1


Dizem que durante a Revolução Emancipacionista de 1932, os paulistas se reuniam nas fazendas dos cafezais como esta.
De certa forma, foram passados muitos segredos militares neste Gashuku.



Saindo um café com leite  e pão na manteiga com o coordenador de Minas Gerais.
São Paulo e Minas formam uma boa parceria.



O aprendizado do Dai Ichi Kihon no Kata é aberto a todas as idades
e as crianças surpreenderam no aprendizado.
Incrivelmente o assimilaram no Gashuku.
Em breve aparecerá algum vídeo para ver e crer.


O ensino deve ser de coração.


Assim como no Kenjutsu, o Jojutsu (técnicas do bastão) reune várias posições para o combate.
Esta expõe praticamente todo o corpo, mas nem por isto deixa de ser eficiente.



No kenjutsu, a criança se diverte aprendendo.
Aqui , vemos desvencilhando de um golpe no antebraço.


 O sentimento ecoou ao som do taiko no fundo da alma guerreira de cada um dos que estiveram la.
Hajimeeeee!!!!!

11-ago-2011

Gashuku Ibiúna 3 - Ecoando pelo mundo

" Naquele domingo, desejei imensamente que as palavras do Sensei ecoassem pelo mundo. E que suas palavras não fossem meramente ouvidas, mas verdadeiramente sentidas e aplicadas. Domo arigatô gozaimashita Sensei, por semear em nossos espíritos samurais sentimentos tão puros"
Tachibana (Unidade Fortaleza)


 





"Foi a primeira vez que tive a oportunidade de treinar o Sekiguchi Ryu. Gostei muito. É um estilo vigoroso, vibrante, e muito diferente do Suyo Ryu com o qual estava mais familiarizado. Pena que o treino passou tão rápido!!"
Wellington (unidade Ribeirão Preto)


 











"Não apenas Niten Ichi Ryu, Sekiguchi Ryu, mas o Kenjutsu foi muito bom, lutamos com várias pessoas, vendo vários ritmos, vários tempos de reação, foi algo ótimo, um grande encontro de samurais, um grande campo de batalha"
Caio Cesar (Unidade Fortaleza)

10-ago-2011

Bushido, nem a bomba atômica

"Estive no Japão (Hiroshima) em 1996, como filho de japoneses, estranhei muito a paixão (e idolatria) dos japoneses pelos americanos, quando questionei os meus tios japoneses que participaram da guerra, eles me responderam que a bomba de Hiroshima salvou o Japão, "eles eram loucos tentando derrubar aviões com espingardas", e que encontraria "verdadeiros japoneses" no Brasil, pois aqui se ensina o Bushido e a cultura japonesa.
Hoje com 55 anos, sou o que sou graças aos ensinamentos que me foram passado pelos meus pais, e que reencontrei no grupo Niten com o Sensei.
Nem a bomba atômica conseguiu destruir o Bushido.
Domo Arigato Gozaimassu Sensei.
" - Ishida (Unidade Vila Mariana - Templo Nikkyoji)


 

"Enquanto o Sensei falava nos Momentos de Ouro, me veio à lembrança uma passagem do final do filme Yume (Sonhos), de Kurosawa:
“— Mas e a respeito das luzes?... [pausa]
— Nós temos velas e óleo de linhaça.
— Mas a noite é tão escura...
— Sim. É assim que a noite deve ser. Por que a noite deveria ser clara como o dia? Eu não iria gostar da noite clara, em que não fosse possível ver as estrelas."
Eu vejo em Kurosawa um grande descompasso entre sua visão de vida e as ideias de progresso e desenvolvimento desmedidos de nosso tempo. Tomando mais pensamentos emprestados, eu lembro do Momento de Ouro que o Sensei explicava o “lamento da árvore que chora”: às vezes nos preocupamos tanto sobre nosso trabalho, sobre juntar, sobre atribuir a nós mesmos as conquistas que tivemos... mas será esse o real valor da vida?
Relembrar as vítimas do massacre de Hiroshima e Nagasaki é pôr em evidência as dimensões da tristeza e da falta de sentido que a busca pela riqueza, poder e crescimento econômico desenfreado podem causar. Milhares de vidas que desapareceram “instantaneamente”. O Sensei disse que não há um consenso sobre a necessidade da bomba para pôr um fim à guerra, mesmo que os japoneses já estivessem preparando seu plano de rendição, mas eu acho que a pergunta sobre essa “necessidade” já é em si um contrassenso, pois a guerra já foge de qualquer sentido mais humano da vida.
Eu acredito que uma nação que despeja vidas através de uma bomba nuclear terá sempre o vento soprando sua calma, e se a árvore não se mexe, é simplesmente porque faltam as folhas, a sensibilidade em buscar algum valor para a vida
." - Meloni (Unidade Ana Rosa)


"a arvore que chora"


"No Momento de Ouro durante o relato do Sensei, sobre os 65 anos da explosão da bomba atômica que destruiu Hiroshima e Nagasaki, um nó na garganta e lágrimas contidas, surgiram ao imaginar a destruição e as mortes fatais causadas no momento da explosão, bem como o sofrimento daqueles que sobreviveram, devido a fome e as doenças decorrentes da radiação.
A cada palavra havia a lembrança dos meus avós paternos que diziam, que não devíamos deixar um grão de arroz no prato, pois em tempos de guerra muitos morreram de fome, e que devíamos ter profundo respeito pelo alimento, como algo sagrado e que nunca deveria ser desperdiçado. As palavras do meu ditchan (avô) sobre o sofrimento, a fome e a perda de familiares, nesta época da guerra, serviram de exemplo e foram importantes na formação de alguns dos meus valores.
Compreender através daqueles que tiveram que recomeçar do zero, sem nada e com as próprias mãos, sentir que cada dia de vida é uma luta, valorizar e preservar tudo aquilo que temos e viver sendo guerreiros até o fim
."- Nuria Yonamine (Unidade Sumaré)


 

09-ago-2011

Crueldade ao extremo

Hoje, peço a você 1 minuto de silêncio em memória as vítimas da bomba de Nagasaki:

" Na manhã de 9 de Agosto de 1945, a tripulação do avião dos E.U.A. B-29 Superfortress, batizado de Bockscar, pilotado pelo Major Charles W. Sweeney e carregando a bomba nuclear de nome de código Fat Man, deparou-se com o seu alvo principal, Kokura, obscurecido por nuvens. Após três voos sobre a cidade e com baixo nível de combustível devido a problemas na sua transferência, o bombardeiro dirigiu-se para o alvo secundário, Nagasaki - a maior comunidade cristã do Japão. Cerca das 07:50 (fuso horário japonês) soou um alerta de raide aéreo em Nagasaki, mas o sinal de "tudo limpo" (all clear, em inglês) foi dado às 08:30. Quando apenas dois B-29 foram avistados às 10:53, os japoneses aparentemente assumiram que os aviões se encontravam em missão de reconhecimento, e nenhum outro alarme foi dado.

Às 11:02, uma aberta de última hora nas nuvens sobre Nagasaki permitiu ao artilheiro do Bockscar, Capitão Kermit Beahan, ter contato visual com o alvo. A arma Fat Man, contendo um núcleo de aproximadamente 6,4 kg de plutónio-239, foi largada sobre o vale industrial da cidade. Explodiu 469 metros sobre o solo, a cerca de meio caminho entre a Mitsubishi Steel and Arms Works (a sul) e a Mitsubishi-Urakami Ordnance Works (a norte), os dois principais alvos na cidade. De acordo com a maior parte das estimativas, cerca de 40.000 dos 240.000 habitantes de Nagasaki foram mortos instantaneamente, e entre 25.000 a 60.000 ficaram feridos. No entanto, crê-se que o número total de habitantes mortos poderá ter atingido os 80.000, incluindo aqueles que morreram, nos meses posteriores, devido a envenenamento
radiativo.
" - Wikipedia


"um cemitério sem uma lápide em pé"

Há 03 dias, Hiroshima já havia sido destruída e nada menos que 80 mil vidas foram dissipadas em uma fração de segundo.
Qualquer nação, depois desta catástrofe, optaria por sua rendição
Nagasaki é prova da crueldade ao extremo.

05-ago-2011

O frio que lavou a alma


Uma bela manhã.
Ontem, enquanto muitos se contorciam e com esforço saiam da cama devido ao frio, aqui na Vila Mariana, a 7 graus, um jovem cearense, que só sabia o que é calor estava em treinamento espiritual pela manhã.
Veja o seu depoimento sobre o treino que, no final, foi coroado com aquele céu azul límpido, sem uma nuvem sequer, como aquele já comentado nos Momentos de Ouro sobre o Hagakure.
Uma manhã fria e límpida onde se lavou a alma:


"O dia começa, mas estava frio e desligo o alarme sem perceber. Quando dou por conta, o senpai Fugita já está a vestir o kimono. Levanto em um pulo e me preparo para o treino.
Caminhada bastante fria a caminho do Hokkaido, nem parecia a mesma cidade em que dormi. Chegando lá começamos o treino somente eu e o senpai Fugita, mas para minha surpresa após alguns kihons de piloto, o Sensei chega e fico surpreso sem saber o que fazer, mas o Sensei logo comanda para revezarmos keiko entre nós três.
Sempre que guardei ou montei o bogu do Sensei vi um par de tabi estranho, pois eles não pareciam servir para terrenos irregulares, proteger do frio ou melhorar atração. Sem nem mesmo perguntar o Sensei explica que é para treino, e fiquei mais surpreso ainda em ver com meus própios olhos (e tomar vários kotes e mens)  que o Sensei tem seu própio jeito de treinar. Keiko (treino) com o Sensei foi completamente diferente de todos que já lutei, pois o Sensei simplesmente deslizava pelo chão, e o hakama (veste de baixo) escondia completamente os pés. Me restando somente destreza com a espada, mas é desnecessário dizer que são dois mundos diferentes, quem sabe em algumas décadas.
A melhor parte foi o Sensei utilizando kodachi e fazendo irimi. Ao ponto de utilizar os himo do meu men como uma kusarigama. No começo fiquei maravilhado e achei que o fosse ser solto para recomeçar o keiko, mas depois que notei que isso não importava. Não importava mesmo. Tudo que exista naquele momento era o nosso keiko. O Sensei deslizando como se estivesse patinando e soltando mens como trovões, mas de certo modo parecia se divertir como uma criança que nunca cansa de brincar do seu jogo ou brinquedo favorito.
Meu men cai, mas a luta não para por motivo algum. Mesmo sem o men, eu não sentia nada dos tsukis ou mens do Sensei. Para mim só existia o momento do keiko e a chance de lutar com o Sensei.
 Ao termino do treino, mais uma surpresa. Alongamento com um céu límpido motivando a respirar mais fundo. Apesar do terrível frio ainda ser o mesmo, naquele instante a brisa gelada parecia só contribuir para a paisagem. Foi um momento do que eu imagino ser uma fração de paz interior.
Domo arigatou gozaimashita senpai Fugita e principalmente domo arigatou gozaimashita Sensei." 

Renan (Unidade Fortaleza)



Uma bela Manhã




topo

(+55 11) 5539-3587 seg-sex 9h-18h
(+55 11) 99734-6497 seg-dom 9h-22h