Ir para o Conteúdo
imgcentral

Café com o Sensei

Pensamentos e comentários do Sensei Jorge Kishikawa


Últimas postagens:

10-ago-2010

Esfregar a bucha

Neste fim de semana, vamos, entre treinar e assimilar novos conhecimentos na serra, esfregar a bucha.
Na minha infância, seguia este ritual todas as manhãs após a corrida
matinal.
Não. Não é fácil principalmente no inverno.
Mas os benefícios ao longo do tempo são imponderáveis*(CS-13/06/2007 ####Kuden).
Aconselho a todos que forem lá (CS-06/08/2010 A Eficácia do Kihon Niten) , que levem a bucha e muito
lenço.
Vai ser impossível não chorar.(não por causa da bucha, é claro).

"Como esfregar a bucha

Você tem que pegar uma bucha das grossas. A pele do local em que se esfrega tem que ficar toda vermelha. Vermelha mesmo. Comece com o rosto. No começo dói, mas como o tempo você se acostuma. O pescoço é fácil. Esfregue os membros superiores. Não se esqueça de esfregar a palma da mão também. No peito, tem que esfregar o mamilo também. Depois bem a parte mais difícil: o abdome. Essa parte, você esfrega, esfresga e é a que mais demora para ficar avermelhado. E dói bastante quando você não está acostumado. depois vêm as coxas, as pernas e o dorso do pé. As costas você pede para alguém raspar e fecha a boca para não morder a língua. Tudo isso tem que ser feito numa questão de 2 a 3 minutos. Pronto! O samurai está com a carcaça pronta para o combate. Aos sete anos, sentia-me seguro até para levar uma bofetada. De vez em quando desafiava a minha capacidade deixando que me esbofeteassem. O meu nariz sangrava e eu continuava a sorrir..." Shinhagakure Pag. 81

09-ago-2010

Buenos Aires 3 - Sem demagogia

"Al concluir mi segundo Gashuku, sentí una sensación de plenitud y ganas de esforzarme aún mucho más en el entrenamiento.
En lo personal, por haberme hecho sentir afortunada, y valorar los tiempos que nos toca vivir".
- Jane



Ines em posição do Fogo com a espada menor



"Estou muito agradecida por esta oportunidade que me brindam. É algo que ficou gravado não só em minha memória fisica, mas também no espírito" - Tatiana



A  arte do bastão JO na Argentina


"Termos célebres como KATSUJINKEN (a espada que dá a vida) costumam ser  muito repetidos no contexto das Artes Marciales japonesas, ainda que não sempre são realmente compreendidas.
Neste Gashuko, com seus emotivos Momentos de Ouro, pude compreender realmente o significado desse termo… "   -
Ivan



Sensei e coordenador Joel executam kata de Shindo Muso Ryu Jodo com duas espadas (nito)


"Sem repetir frases vazias, sem cair em lugares comuns ou em frases feitas e sem demagogia alguma, dizendo e mostrando a VERDADE, Sensei me fez sentir o espírito da frase a espada que dá a vida."



Momentos de Ouro, a verdade sem parcimônia.

06-ago-2010

A Eficácia do Kihon Niten

Hoje relembra-se o dia da bomba de Hiroshima e Nagasaki e teremos muito a conversar a respeito no Gashuku de 14/15 de agosto na Serra da Cantareira.
De maneira que hoje vou lhe contar um ocorrido:

Nestes ultimos dias fui surpreendido em uma das aulas.
A surpresa ocorreu durante o treinamento de Kenjutsu, no combate com equipamento.
Estava treinando com uma aluna fazendo o combate.
Ela iniciante que ainda nem kimono e hakama vestia.
Num dado momento , ao realizar o "bote da cobra ao inverso" (antebraço inferior) (Cs-23/10/2009 - O Bote da Cobra ao Inverso), conseguiu se desvencilhar de meu ataque, defesa esta
que nem os mais habilidosos conseguem executar.
O mais impressionante foi a forma com que "escapou" de minha espada. Suave e tranquila.
Como conseguiu em pouco tempo?! E com que com naturalidade!
Voltei para casa com esta incognita.
E, ao findar do dia, enquanto tomava  o meu banho, "caiu -me a ficha":
-É claro! É o Kihon Niten dando os seus frutos!
Os antigos tinham razão.
Espanto e alegria tomaram conta de meu coração.


"o  Kihon que  permitiu a aluna se desvencilhar do ataque"


05-ago-2010

Buenos Aires 2 - Só um ponto de vista

Hoje deixo as palavras de uma aluna que falam por si só sobre o evento  (Buenos Aires 1 -  O Frio não congela o Espírito)

Só um ponto de vista.
Cada Gashuku é como uma época de vanguarda artística, nos ensina permanentemente a ver as coisas de forma diferente. Neste, tivemos nosso momento de Claro e escuro; o contraste da guerra, nos ensina sobre a importância da paz.




Porém também ressalta a universalidade do ser humano, conceitos como a guerra, o amor a família, significam o mesmo em todas as partes.


Também esteve presente o Cubismo, que elege representar a realidade destes diferentes pontos de vista simultâneos.


Nos mostra que a profundidade passa por outra parte (e não pela perspectiva única mais comum até este momento).


Como el KI. Com algumas histórias da vida, alguma anedota (conto) gracioso, Sensei  nos deixou conceitos interessantes sobre a energia vital e o seu uso ou abuso.


Podemos estas em maior ou menor medida de acordo. Porém à todos ficou presente tanto a idéia como as noções básicas. A partir disto, elegemos qual delas gostamos mais, para cada um armar sua própria representação.


Fechou com pequenos e múltiplos pontos, que ao invés de desenhar ou pintar, somente super pôs pontos de cores básicas com incrível paciência. Consegue que de certa distância, se arme uma imagem completa.


E  assim, kata por kata, vamos armando e construindo a nós mesmos.




Domo Arigato Sensei.

Ines Unidade Buenos Aires

(Versão Original)

Sólo un punto de vista.*
Cada Gashuku es como una época de vanguardia artística, nos enseña permanentemente a ver las cosas de forma diferente. En éste, tuvimos nuestro momento de Claroscuro: el contraste de la guerra, nos enseña sobre la importancia de la paz. Pero también, resalta la universalidad del ser humano, conceptos como la guerra, el amor o la familia,significan lo mismo en todas partes. También, estuvo presente el Cubismo, que elige representar la realidad desde diferentes puntos de vista simultáneamente. Nos muestra que la profundidad pasa por otra parte (y no por la perspectiva única más común hasta ese momento). Como el Ki. Con algunas historias de vida, alguna anécdota graciosa, Sensei nos dejó conceptos interesantes sobre la energía vital y su uso o abuso. Podemos estar en mayor o menor medida de acuerdo. Pero a todos nos quedaron presentes tanto la idea, como las nociones básicas. A partir de ello, elegimos cuál de ellas nos gusta más, para cada uno armar su propia representación. Cierro con el Puntillismo, que en lugar de dibujar y pintar, solamente superpone puntos de colores básicos con increíble paciencia. Logra que desde cierta distancia, se arme una imagen completa. Y así, Kata por Kata, nos vamos armando a nosotros mismos. Domo arigato Sensei. Ines

04-ago-2010

Buenos Aires 1 - O Frio não congela o Espírito

Hoje, aqui em São Paulo, fazem 13 graus  ao meio dia, momento que escrevo este Café.
É a tal da massa polar que vem do sul e passa pela Argentina , de onde cheguei após inaugurar neste fim de semana (01, 02 e 03 de agosto) "o mês da 2ª Guerra", na palavra dos japoneses.
Um frio de arrebentar la. A mínima de 2 graus e a media de 7 graus. Foi o Gashuku( treinamento intensivo) mais frio que vivenciei neste ultimos anos e , segundo os argentinos, não é sempre assim... uma fria.
O pessoal  aqui fala que o dia de hoje esta frio, mas para quem esteve la ,  esta refrescante.
Leia então as palavras de uma aluna enquanto toma um Café quentinho:

O Frio Não congela o Espírito.
O prognóstico do tempo havia dito que o Domingo começaria com uma nova onda de frio polar na cidade, porém eu não senti até que levantei-me para preparar-me.

Arrumei minhas armas e todas as coisas que devia levar; enquanto eu vestia meu uniforme pensava no Audio visual que veriamos:

Quando cheguei ao Clube, um grupo de Samurais estavam firmes esperando, apesar das baixas temperaturas, não pude ver nenhum Kimono, só casacos grossos, tocas e mantas; o ar gélido endurecia a pele, não podia sentir minhas faces, porém, o frio não endurecia o espirito.

Ao transcorrer das três horas que durou o documentário, não fiz mais que chorar, tratei de dissimular o mais que pude, porém estando sentada diante de tudo, se fez complicado, cada relato contado era doloroso, ver como uma mãe sofria a partida de seus filhos para a guerra e logo ficar esperando na beira do rio, o barco que trazia-os de volta a casa , foi duro.

Terminei com os olhos inchados e pensando nas consequências que traz a cobiça humana, o ambiente da tristeza era generalizado. Tinha que recuperar-me rápido porque um dia de treinamento longo viria mais adiante.

Logo depois do duro momento e do almoço, começou o treinamento, o frio não se sentia, salvo quando começou a cair o sol. As horas passaram rápido, se bem o cronograma era extenso um sempre fica com vontade de um pouco mais, para aproveitar a sorte que tivemos com a vinda de Sensei.

Cada minuto que vivi com Sensei foi incrível e não posso deixar de pensar no filme e nestas famílias que sofreram , quero transmitir a minha família e amigos a emoção que senti , por isto é algo que só podem chegar a compreender vendo.

Agradeço el Sensei por haver vindo a estas frias terras e haver trazido o oculto que o mundo não está acostumado a ver pela televisão.


Vanesa A. Loretta



03-ago-2010

Sorocaba sem querer

Fiz confusão em minha agenda e acabei "parando" em Sorocaba na quarta passada.
Os alunos estavam lá (e em numero superior a da ultima vez) além de um visitante. Antigo colega do kendo.
Terminada a aula fui surpreendido ao ouvir do coordenador que quarta não era dia de aula, mas terça e quinta.
Mais surpreso ainda , ao saber que os meus alunos sorocabanos deixaram todos os seu compromissos para participar da aula.
As minhas desculpas e arigato pela noite agradável que pudemos passar.
Aproveito para deixar hoje um pouco do que se passou através do relato de um dos alunos.
Foi sem querer , mas deu tudo certo.
 

No universo físico, fiquei completamente perdido pela rapidez dos movimentos. Tentar segui-lo no kata inicial foi como uma tartaruga correndo atrás de um leopardo. Mas tudo bem, um passo de cada vez. A tartaruga também consegue chegar ao mesmo destino que o leopardo, é uma questão de tempo.
Em seguida senti-me honrado por apenas eu e meu senpai Manso ficarmos frente a ele mostrando o que haviamos aprendido e recebido as devidas correções.
Fomos para o fundo da sala, ali permanecemos até o final do treinamento. Olhos desatentos poderiam dizer que mal fomos treinados (Iai) na data. Será?
Mas aí entrou o mundo psicológico e espiritual. 
Sempre acreditei em um universo onde todos se respeitassem mutuamente. Onde cada pessoa se colocasse em seu devido lugar. Pessoas mais velhas, com mais sabedoria, respeitadas pelos mais novos. Homens, respeitados por suas mulheres, e mulheres respeitadas por seus homens. Natureza respeitada por todos. Nada forçado, apenas como deveria ser. Ninguém tentando tirar proveito de ninguém. Equilíbrio. Harmonia.
Naquele momento de ouro, naqueles poucos minutos, o sensei mostrou que era isso que buscávamos. Naquele momento, era o que todos estávamos aprendendo a ser. Naquele momento, alguém pensava o que eu pensava. Naquele momento, encontrei meu lugar. Espero ter entendido direito...




Alunos e visitante que abrilhantaram a aula


Momento de Ouro, sabedoria para se viver bem

30-jul-2010

Bater com Amor

Costumo dizer aos alunos desavisados que não me interpretem mal.
Que não costumo dar voltas e vou direto ao ponto.
Que a única coisa que sei fazer é bater "com amor".
"Bato" com os olhos, com as palavras, com as ações.
Abaixo deixo um relato sobre o que acontece quando "bato com amor".

Treino de Despedida

10 de Julho, Sensei anunciou o meu treino de despedida devido a minha ida para o Nihon.
Foi ótimo a oportunidade de lutar com todos que estavam presentes no treino.
Mesmo alunos de São Paulo, que vejo toda semana, e por incrível que pareça, muitos eram a primeira vez que estavamos lutando...
e Okagesama de ... muitos de fora também estavam neste treino.
Cada luta foi especial... mesmo o corpo cansado, a felicidade era imensa de estar ali naquele momento com todos.

Sensei deu o Narabê no final do treino... e eu pensando... "Será que Sensei esqueceu de mim?" pois ainda não tinha lutado com Sensei neste dia.
Mas antes que eu pudesse terminar de pensar, Sensei me chamou e fez o Sonkyo... "ufa.. Sensei não esqueceu de mim!"

Sensei começou a me puxar no light... ainda não tinha sido "batizada" no light depois que recebi o 5o Kyu.
Confesso que nunca achei a Faria Lima tão grande quanto neste dia...
Quando o corpo começou a não obedecer mais, todos começaram a gritar e me incentivar.. e isso me empurrava para frente.
Graças à todos em nenhum momento passou pela minha cabeça desistir, mesmo que o corpo não respondesse mais..
Em meio às vozes de todos houve um momento mágico em que só existia o Sensei e eu em um corredor, sem mais sentir dor, sem mais sentir cansaço..
Talvez esse momento tenha durado apenas 2 segundos... mas para mim foi uma eternidade que valeu por todos os dias de treino.
E por fim, quando Sensei falou "Último Men" e abriu o sorriso.... Ah... que sensação boa...Era inevitável o sorriso transparecer também no meu rosto.

Tirando o kote e o men,.. não consegui conter as lágrimas...,lágrimas de "Arigato Gozaimashita!" e lágrimas de "Acabou...?"

Sensei, não tenho palavras para agradecer... pelo treino, por cada momento, por cada olhar e por cada palavra.


E para todos os meus colegas de treino, tenho certeza que não são apenas colegas... mas são pessoas especiais que lembrarei com muito carinho para sempre!
Arigato Gozaimashita.

Hoje sem dizer Sayonará, pois a cada dia tenho mais certeza de que quero voltar, e vou lutar por isso.
Até breve!"
Exposto isto, espero que me compreenda.
E, se for de sua vontade continuar a aprender, pegue a sua espada e venha.


Midori, autora do relato, com Sensei em seu treino de despedia

28-jul-2010

Pai e Filho no Kenjutsu

Hoje apresento matéria da tv em Franca:






Além de enfocar o lado histórico e o disciplinar do samurai, achei digno de nota vermos pai e filho fazendo a mesma arte.
O que é muito raro hoje em dia.
Pai e filho descobrindo juntos os segredos da arte.
Pai e filho suando juntos no mesmo dojo (local de pratica do Caminho).
Muito longe de ser, apenas, um pai legal.

26-jul-2010

O Templo Continua em Pé

Nestes dias que se passaram, coloquei-me a refletir a respeito do estilo de vida proposto aos meus alunos .
Estaríamos no "templo dos samurais" mostrando o caminho para a sabedoria, o conhecimento e a felicidade pela espada?
Mergulhando no passado em busca das técnicas originais e os segredos dos antigos?
Em busca dos valores intrínsecos para se viver em paz e dignos de um ser superior?
Retornei. E tive a surpresa ao constatar estas palavras em meu email:
 

"Estou muito contente por ter encontrado ou por ter sido encontrado pelo Instituto Niten,morei nos Estados Unidos por três anos e retornei para o Brasil a pouco tempo.
O grande motivo do meu retorno foi porque percebi estar ficando cada vez mais distante dos meus valores familiares e espirituais.
Como uma visão algo me fez despertar e as atitudes que comecei a ter me deram outra qualidade de vida, me sinto presente.
Os momentos de ouro estão me ajudado bastante e tento ser uma esponja, absorver ao Máximo o caminho da espada.

O desenho ou formato de esmeralda que a Katana tem, realmente é muito interessante pela própria analogia com vida, afinal a melhor defesa é o ataque e essa é a possibilidade que essa espada nos dá, não deixando muito tempo para o inimigo pensar. Acredito que quando foi falado na raspagem foi colocado da forma de que só iremos aprender se formos a luta, calejar onde é fraco e assim ficar forte para enfrentar os inimigos da vida!"


Assim sendo,continuo convicto em levar este estilo de vida a nossos alunos.
Obviamente que se trata de um trabalho mais complexo do que dar medalhas ou titulos, porem a transformaçao interior é mais profunda.
Portanto, o templo continua em pé.


Como uma rocha no alto da montanha, inabalável sigo o meu objetivo.
Faça frio ou faça calor, o Sol e as estrelas são as testemunhas




topo

(+55 11) 5539-3587 seg-sex 9h-18h
(+55 11) 99734-6497 seg-dom 9h-22h