Ir para o Conteúdo
imgcentral

Café com o Sensei

Pensamentos e comentários do Sensei


Últimas postagens:

14-mar-2008

Soltar o cabo de Espada

Embora Musashi Sensei tenha denominado Amashi Uti no nosso kata, no Livro dos Cinco Anéis (Go Rin no Sho), temos na pág 130 (capítulo do Fogo) que se trata de "Soltar o Cabo da Espada", ou seja, "tsuka wo hanasu to iu koto".
Está escrito assim:
"Soltar o cabo da espada abrange idéias variadas. Pode tanto significar vencer sem portar a espada como ser derrotado mesmo tendo a espada nas mãos. Não há como descrever por escrito todos os aspectos que se desprendem desse conceito - a melhor maneira de compreende-lo é praticá-lo".
Praticá-lo.
Praticando o kata e experimentando no combate, quem sabe não chegaremos próximos a entender a técnica e espírito que estão nas entrelinhas de Musashi Sensei.
Vamos lá ! À prática!

Miyamoto Musashi

13-mar-2008

Amashi Uti

Em combate de kenjutsu, muitas vezes nos deparamos com situações imprevisíveis e uma delas é quando o oponente vem nos almejar no antebraço que segura o cabo da espada.
Nestes momentos, você tem a alternativa, além de claro, defender-se do golpe, soltar a mão para que a espada inimiga não o atinja. A isto, Musashi sensei denominou "tsuka wo hanasu to iu koto". Traduzindo: soltar o cabo da espada.
Está eternizado no kata Amashi Uti do estilo Niten Ichi Ryu em que um dos combatentes ataca e é surpreendido pelo outro, que simplesmente solta o cabo da espada e a seguir golpeia-o no contra-ataque. O treinamento correto deste kata proporciona ao praticante a vantagem de ser ousado, frio e desapegado a espada, e destarte, levá-lo a vitória no combate ### ( 13jun2007 - Kuden )
Vamos experimentar?

golpe de kenjutsu

12-mar-2008

A escolha de um amigo

Estava lendo um certo trecho no Bushido em que haviam as seguintes palavras;

"Um samurai que está a serviço de algum senhor terá certamente muitos companheiros, mas é importante que se aproxime e crie amizades apenas com aqueles que são valentes, sensatos, influentes e que cumprem com seus deveres. Mas como homens deste tipo são poucos, pode ser que encontre apenas um entre vários em que possa confiar totalmente em tempos de necessidade".

Talvez fique difícil explicar o porquê num Café, mas vou te ilustrar o que me aconteceu no aeroporto de Narita há alguns anos.
Quando aguardava o meu vôo e almoçava em um dos restaurantes, ouvi vozes em português de dekasseguis que comentavam o que haviam comprado no Japão. Relógios, câmeras, som etc. E sempre da última geração.
Jovens que mal falavam o português, apesar de serem brasileiros, numa linguagem chula, sabiam com todos os detalhes, as funções deste ou aquele aparelho.
Não aconselho a um samurai se aproximar deste tipo de elemento.

tomo = amigo
 

11-mar-2008

Mulheres em guerra!

Para fechar a importância da prática da espada entre as mulheres, coloco as palavras do Shin Hagakure, pág 84:

"A Mulher se beneficia mais com o Bushido e com a Espada, por treinar o controle da razão sobre a emoção.

Uma reportagem na TV mostrou que as mulheres tinham uma prevalência da emoção sobre a razão. Ou seja, que as mulheres agem mais com a voz do coração do que a da razão. No Caminho da Espada, elas treinam o controle da razão sobre a emoção. Dependendo das circunstâncias, como numa guerra, deve-se agir com a razão".


a Coordenadora do Niten em Piracicaba, Erika Maciel, destaque na capa caderno Movimento (jornal de piracicaba) com alunos da cidade.
 

07-mar-2008

Sukuu

Coloco hoje à disposição o kanji do Café de ontem.

kanji sukuu
sukuu: apanhar, tirar

06-mar-2008

Beber água com as mãos

No combate de kenjutsu, tenho mostrado aos alunos que alguns dos golpes têm de ser desvencilhados com suavidade.
Um deles é o sukui.
Sukui vem do verbo sukuu, que quer dizer apanhar, tirar. Outra conotação seria o de agarrar ou prender, utilizado em frases como "passar uma rasteira", mas que nada tem a ver com o Café de hoje.
Aplica-se o golpe suavemente quando o adversário vem no ataque , e como num gesto de beber a água com as mãos , cortamos o antebraço do oponente em kiriage*.
Este golpe, por ser sauve e sem nenhuma intenção ofensiva, atinge o adversário no seu centro vital, aniquilando-o por inteiro.
Experimente.

como segurar água com as mãos
 
kiriage = kiri (corte) + age (cima), ou seja, corte para cima

05-mar-2008

Die drei Lebensalter der Frau

Hoje me dei conta em virar para março um calendário que mantenho na minha sala.
Contém os quadros de um pintor pelo qual nutro uma grande admiração, o austríaco, Gustav Klimt.
Também como os samurais, Klimt sabia da efemeridade da vida, tema do mês de março deste calendário que apresento a você hoje.
O título se chama The Three Ages of Woman e nos mostra claramente que o tempo não perdoa.

Gustav Klimt - The Three Ages of Woman (1905)
 
Die drei Lebensalter der Frau: As Três Idades da Mulher, em alemão

04-mar-2008

Se a minha mesa falasse

Resolveram pintar a mesa.
A velha mesa. Foi nela que tudo começou.
Comprada numa loja de usados, foi amor a primeira vista. Por sorte, também era a mais barata.
Pequenina, e medindo os seus poucos 82 cm por 40cm, tem uma pequena gaveta que mal cabe um jornal.
Que eu me lembre, devia ter custado uns 30 reais, na época.
Foi nela que realizávamos as primeiras reuniões, o atendimento aos interessados no telefone, a contabilidade do dia a dia ou escrevia os artigos do Niten. Em muitas ocasiões, foi utilizada por três pessoas simultaneamente. Em outras, para momentos solos de reflexão.
Cabia tudo: papéis, livros, e até notebook. Tudo junto. Nao me pergunte como, pois lembrando agora, não sei.
Nunca reclamou, nunca chorou, nunca aborreceu.
Companheira e testemunha de todas as guerras ao longo de nossa história, já estava na hora de trocar de roupa.
Arigato, minha velha mesa!


03-mar-2008

Equador

Hoje transcrevo palavras de um aluno do Equador, que está no Rio.

Me permito escribir este mail para agradecerle a usted sempai Wenzel por darme la oportunidad de entrenar el camino de la espada y aceptarme como uno mas de los dicipulos de la academia Niten.
Le agradesco tambien por hacer el esfuerzo de entender mi portuñol, q cada ves intento vaya mejorando para ser mas proximo al portugues aun le falta mucho, y tener la paciencia para explicarme las cosas hasta q las entienda.

Le escribo tambien para q usted extienda mis agradecimientos a Sensei por el autografo y darse el tiempo para tomarme una foto con el (la cual le adjunto en el siguiente mail)

Una vez muchas gracias a usted sempai Wenzel y a Sensei 
Arigato Gozaimashita

Jorge Espinosa

Sayonara

29-fev-2008

Para as próximas gerações

Pediram-me comentários sobre o vídeo de ontem  
Foi uma das matérias mais bem feitas dentro do Niten. 
Fiquei contente em ver os alunos satisfeitos e dando seus depoimentos verdadeiros sobre o Niten. 
Peço a sua atenção num trecho em que a repórter me pergunta sobre o que sinto em ser o único samurai ensinando esta técnica milenar. 
Obviamente que não assumi a condição de ser um samurai, haja visto que a classe foi extinta em 1868 e pressuponho que você entenda esta situação, na qual respondi : 
- Muita responsabilidade você passar estas técnicas, de forma fidedigna, para as próximas gerações. 

Vou te dizer o porquê de muita responsabilidade e quero que preste bem atenção... 
Uma das razoes é que até o Niten ser fundado, há 15 anos, nunca se ouviu falar em "kenjutsu" aqui no Brasil. Depois que o kenjutsu se tornou conhecido, como eu havia previsto, não demoraram a aparecer pseudo professores e "picaretas" de kenjutsu se aproveitando para "pegar o mesmo barco". Dá para entender o que quero dizer, não? 
Outra razão: em todas as modalidades, a grande maioria dos professores pratica regularmente, tem a sua faixa preta ( reconhecida ou não reconhecida por federação) e leciona para um grupo ou mais de alunos. Mas não o suficiente para se entregar de corpo e alma neste Caminho. Quando falo de corpo e alma, meu caro, quero dizer, entregar-se plenamente à pratica deste Caminho. O suficiente para deixar a sua profissão. 
Profissão?!! Aí o bicho pega. Tem que ler o livro Musashi para entender... 
Lembro de um diálogo que tive com um mestre, quando ainda era estudante de medicina, ao querer me aprofundar na didática do treinamento. Ao que ele me respondeu: 
- Kishikawa, a partir daqui, deixe conosco, profissionais. Não é da sua conta. 
Não gostei muito naquela época, mas agora, vejo que faz sentido. 
Se não for assim (e isto é difícil!), será praticamente impossível de se passar estas técnicas.
De forma fidedigna. 
Para as próximas gerações. 




topo

(+55 11) 5539-3587 seg-sex 9h-18h
(+55 11) 99734-6497 seg-dom 9h-22h