Ir para o Conteúdo
imgcentral

Café com o Sensei

Pensamentos e comentários do Sensei


Últimas postagens:

12-abr-2007

Ponto de Ônibus

Falei que iria mostrar as fotos. 
Esta é de um ponto de ônibus onde eu esperava todos os dias para ir ao dojo. 
07h21 em ponto. Pontualidade nipônica. 
Sakura, flor da cerejeira, afloravam por todos os cantos como que lembrando os dias maravilhosos e curtos do shugyo...

11-abr-2007

Último Adversário

Este combate, depois de retornar do Shugyo*, é mais dificil do que ter um oponente real na sua frente. É contra um adversário invisível.
Ele faz você confundir uma nota de 10 com uma de 50. Não deixa você ouvir o que está ouvindo. Não deixa você ver o que está vendo.
Tira-lhe das mãos a força e energia nas ações do cotidiano.
As 10 da manhã, puxa você para a letargia.
As 3 da manhã, tira você da cama.
Trata-se de um adversário insistente** e que não se abate com a espada.
O último combate:
Contra o fuso-horário.

*treinamento fisico e espiritual no Caminho da Espada que realizo no Japao
** fica de 1 a 2 semanas

10-abr-2007

Da Montanha para o Mar

 Está  escrito em O Livro dos Cinco Anéis, de Miyamoto Musashi (pag 123, editora Conrad), ou seja, Mudar da Montanha para o Mar:
"O princípio de mudar da montanha para o mar ensina que não é bom repetir várias vezes a mesma tática durante uma luta. Mesmo que (...) quando o inimigo se prepara para se defender da montanha, você deve atacar com o mar. Se ele se preparar para o mar, ataque com a montanha." 
É necessário estar aprofundado no Caminho, pois poderá ser mal compreendido, e daí mal aplicado e inevitavelmente o resultado será a catástrofe. 
Mas, uma coisa é certa: Nama Heiho wa Ookega no Moto. 
Deixo para traduzir amanhã... 
Agora que começou o friozinho, está na hora do cafezinho... 
Com licenca que vou rever o filme...

10-abr-2007

Cafezinho Especial

A minha chegada em Cumbica obedeceu sempre a um ritual quando retorno do Japão, e também não foi diferente desta vez. 
Mesmo depois de 29 horas de vôo, cansado e com o fuso horário ao avesso, o cafezinho lá no saguão é sagrado. 
Depois de uma jornada de Shugyo (treinamento físico e espiritual no Caminho da Espada), o  cafezinho  no balcão faz cair a ficha: 
É um cafezinho especial: 
-Cheguei! 
Sensações vêm no coração. Agradecimento, saudades e recordações dos dias lá no Japão. 
Em suma, para quem esteve ao relento, no frio, na chuva e no fuso horário, um momento especial: 
-Missão cumprida!

09-abr-2007

Second Life

Chegou o tal do Second Life no mundo virtual. Dizem que é a sensação do momento e que vai revolucionar a internet.
Em breve, segundo o que ouvi dizer, não estaremos tomando o café deste jeito. Siiim. Voce vai estar sentado comigo tomando um capuccino, um expresso, um carioca. Tudo isto, pela tela do seu computador.
Você pode, através do PC, ter a sua identidade e fazer o que quiser, como quiser e onde quiser. Pode visitar a muralha da China, ser o Homem Aranha ou fazer sexo com tudo e com todos em qualquer canto do mundo!
Este pessoal que não sabe viver nem o First Life e acha que vai viver no Second Life.
Vamos viver melhor a primeira vida e deixar para depois a segunda?

07-abr-2007

Procura-se Lealdade

Lealdade. Uma virtude que está em falta. Mas por que procurar por ela atualmente?
Porque a guerra existe.
Se a guerra existe, temos que confiar nos nossos soldados, nossos companheiros e nossos comandantes.
No mundo onde a competição é acirrada e chega até a ser desleal, o maior erro é contar com os mercenários. Depois vem o prejuízo.
Leal à organização, ao chefe, ao subalterno.
É a arma mais forte para se vencer na guerra.
Mercenários e desertores não podem ser contratados.

05-abr-2007

Mc Donalds 2

Então o Mc Donalds do Japão tem mais aspectos positivos, por assim dizer, que o do Brasil ???
Tem. E muito. 
E é uma coisa que o brasileiro poderia ser melhor que o japonês. Latino americano, nativo da terra do carnaval, a maior festa do mundo, e que mora num país tropical. Tudo para ter.
O que é isto então, que:
- é tão diferente 
- que a atendente japonesa de um Mc tem e que a brasileira não tem
- e que faz a diferença?
Sorriso e simpatia, meu caro(a)...
Mas isto também, que nem o hambúrger de camarão e teriyaki: Só provando você vai entender. 
E é uma delicia!

04-abr-2007

Mc Donalds no Japão

Dizem que Mc Donalds é tudo igual.
Não é.
Pelo menos no Japão.
Primeiro, no Japão, tem o hambúrger de camarão. Chama-se ebifileo. Ebi, quer dizer camarão. Fileo, filé.
É uma delícia e não tem como eu te explicar o sabor. Só comendo. 
Em segundo, tem o teriyakiburger. É um hambúrger de teriyaki, carne de frango com um molho adocicado. E daí surge o nome do prato, teriyaki teishoku, que vem com arroz e outros acompanhamentos.
Não entendo como, numa metrópole como São Paulo, temos que continuar a comer sempre a mesma coisa. Nenhuma novidade, nenhuma atração?

03-abr-2007

Hanami Odori

Hoje faz um frio terrivel (e inesperado) no Japão. A temperatura, que até ontem estava nos seus 18 graus, caiu até os 5 graus. Com chuva e (pasme) com neve! Pega todos de surpresa. 
No entanto, o ritual continua. Nas cidades tradicionais, as mulheres praticantes do odori (dança japonesa) colocam seus kimonos, tabi (meia japonesa), setta (sandalia propria para uso com kimono), obi (faixa) e uma maquiagem impecável. São donas de casa, esposas de empresários, comerciantes. Nada a ver com gueixas. Elas se preparam anualmente, em todo dia 03 de abril, para ir a 9 locais tradicionais da cidade onde acontece o ritual de apreciar as cerejeiras.
São 7h30 e elas tomam um chá com um pão (tipo bisnaguinha ) e se preparam para sair. Na TV, a febre do momento são as eleições para deputados e vereadores para a semana que vem.
Saem.
Em meio ao caos do terremoto recente,
das eleições que se aproximam,
e apesar da já conhecida ocidentalização acelarada que vem sofrendo o Japão, alguns rituais não são esquecidos.
Um deles é o de dançar apreciando as cerejeiras - o HANAMI ODORI. Hanami, quer dizer "apreciar a cerejeira". Odori, "dança".
It is Japan...

02-abr-2007

Majimê

Em um dos intervalos entre os treinos de kenjutsu no Japão, conversávamos eu, duas colegas de treino e o mestre. As colegas, senhoras de meia idade e que tinham tempo vago durante o horário comercial (era de manhã por volta das 10h), comentavam a evolução de um dos colegas que treinou alguns dias comigo. Kikugawa, bombeiro, com os seus 20 e poucos anos e que nos dias de folga (no Japão é por turnos de 36 horas) estava sempre a me acompanhar nos treinos durante o horário comercial, horário em que todos têm o seu trabalho e ficam impossibilitados de, claro, nem pensar em treinar!
Comentavam que ele tinha um bom porte físico e aprendia muito rápido em relação aos colegas que iniciaram com ele. Bonitão, forte e todo tipo de qualidade que as mulheres gostam de comentar (é claro, tudo na esportiva).
Como é de praxe no Caminho, veio a pergunta:
- Mestre, ele é Majimê, não?
- Ah sim, ele é um rapaz Majimê - foi a resposta imediata do mestre
Majimê.
Palavra que interessa no Caminho e que é o divisor de águas daquele que o mestre vai ou não ensinar:
Sincero, Puro e Correto.




topo

(+55 11) 5539-3587 seg-sex 9h-18h
(+55 11) 99734-6497 seg-dom 9h-22h